Dos livros para a Netflix

Lista de filmes disponíveis na Netflix “para apaixonados por livros”. A seleção é de Mariana Felipe, da Revistabula.

“Para Todos os Garotos que Já Amei”, Susan Johnson – 2018

Comédia romântica adaptada do livro de Jenny Han.

“A Vida de uma Mulher”, Stéphane Brizé – 2017

Adaptação do romance de Guy de Maupassant

“A Livraria”, Isabel Coixet – 2017

Baseado no livro de Penelope Fitzgerald.

“A Leoa”, Vibeke Idsoe – 2016

Baseado no livro “Lovekvinnen”, de Erik Fosnes Hansen – 2016

“Amizades Improváveis”, Rob Burnett – 2016

Baseado no livro homônimo, de Jonathan Evison

“Farol das Orcas”, Gerardo Olivares – 2016

Inspirado no livro de Roberto Bubas, “Agustin: Corazon Abierto”

“Lion – Uma Jornada para Casa”, Garth Davis – 2016

Adaptação da autobiografia de Saroo Brierley

“Carol”, Todd Haynes – 2015

Inspirado no romance de Patricia Highsmith.

“Palmeiras na Neve”, Fernando Gonzáles Molina – 2015

Inspirado em livro homônimo, de Luz Gabás

“Uma Caminhada na Floresta”, Ken Kwapis – 2015

Baseado no livro de Rick Curb e Bill Holderman

“A Morte e a Vida de Charlie”, Burr Steers – 2010

Adaptação do romance homônimo, escrito por Bem Sherwood

“O Barco, Inferno no Mar”, Wolfgang Petersen – 1981

Baseado no livro “Das Boot”, de Lothar-Günter Buchheim

73 anos na defesa do livro

Foto da edição do ano passado da Bienal de SP. Fonte: Bienaldolivrosp.com.br

Fundada por um grupo de editores e livreiros em assembleia realizada em 1946 na livraria O Pensamento, de São Paulo, a Câmara Brasileira do Livro completa hoje 73 anos de atividades. Atualmente, segundo a própria CBL, a entidade tem mais de 400 associados no país entre editores, distribuidores e livreiros, reunidos em torno de uma causa fundamental: a construção de um país com melhor educação por meio do livro e da leitura.

Entre outras iniciativas de destaque, a CBL é a organizadora da Bienal Internacional do Livro de São Paulo (a edição do ano passado contabilizou um público de 600 mil visitantes e a próxima já tem data marcada: 30 de outubro a 8 de novembro do ano que vem) e do Prêmio Jabuti, realizado há seis décadas e o mais tradicional e prestigiado do país.

Crusoé faz 300 anos

Imagem: Beta.turismochile.cl

Num dos melhores exemplos da longevidade que uma boa história pode alcançar, “Robinson Crusoe” completa neste ano três séculos de seu lançamento. Escrito por Daniel Defoe e publicado originalmente em 1719 no Reino Unido, foi o primeiro romance publicado em folhetins, no caso no jornal The Daily Post. Epistolar, confessional e em tom didático, o livro é narrado pelo personagem-título, um náufrago que passa 28 anos em uma ilha remota próxima a Trinidad, no sul do Caribe.

Segundo artigo da Wikepedia, supõe-se que o enredo tenha sido inspirado na história do náufrago escocês Alexander Selkirk, que viveu durante quatro anos em uma ilha do Pacífico, hoje renomeada como Ilha Robinson Crusoe. Ainda segundo a mesma fonte, no final do século XIX, nenhum livro de história da literatura ocidental tinha mais reimpressões, obras derivadas e traduções do que o livro de Defoe.

Três décadas do “Boca do Inferno”

Sucesso de crítica e de vendas, traduzido em dezenas de países e marco na história da Companhia das Letras, “Boca do Inferno”, de Ana Miranda, está completando 30 anos de lançamento e acaba de ganhar edição comemorativa. Ambientado na Salvador do final do século XVII, época turbulenta centrada em acirradas disputas políticas, a obra mistura ficção e história e tem como protagonistas o poeta Gregório de Matos (1636-1696) e o jesuíta Antonio Vieira (1608-1697). Foi o primeiro romance da autora, premiada com o “Jabuti” em 1990.

Mistral para pequenos

Catalan Ramos/MutualArt

Abaixo poema da chilena Gabriela Mistral (1889-1957), Nobel de Literatura em 1945 e de quem, segundo o caderno “Ilustríssima”, da FSP, será lançado em breve, pela Olho de Vidro, “Balada da Estrela e Outros Poemas”, coletânea de temática infantil e rural, marcada por forte musicalidade e inédita no Brasil.

Noite

As montanhas se desfazem,
e o gado está perdido;
o sol regressa à fornalha:
todo o mundo está fugido.
Vai-se apagando o pomar,
a granja está submersa,
minha cordilheira esconde
a crista e o grito de alerta.
As criaturas deslizam
de soslaio até o limbo,
e nós dois também rolamos
rumo à noite, meu filho.