Os imperdíveis, segundo Stephen King

A lista de sugestões dessa vez é de filmes, mas indicados por um escritor e mestre supremo no assunto. Em matéria publicada em O Globo, Stephen King, ele mesmo autor de alguns vários livros que se tornaram filmes clássicos do gênero – “O Iluminado”, “Carrie, a Estranha” e “It: a Coisa”, elencou cinco longas-metragens imperdíveis de terror.

“A Bruxa de Blair”, Daniel Myrick e Eduardo Sánchez – 1999

“Alien, o Oitavo Passageiro”, Ridley Scott – 1979

“O Exorcista”, William Friedkin – 1973

“Despertar dos Mortos”, George A. Romero – 1978

“Os Filhos do Medo”, David Cronenberg – 1979

Sobre opiniões divergentes

The EyeDate – 1932/35, do belga René Magritte

“São talvez as vantagens de nosso tempo que trazem consigo um retrocesso e uma ocasional subestimação da vita contemplativa. […] Como falta tempo para pensar e tranquilidade no pensar, as pessos não mais ponderam as opiniões divergentes: contentam-se em odiá-las. Com o enorme aceleramento da vida, o espírito e o olhar se acostumam a ver e julgar parcial ou erradamente, e cada qual semelha o viajante que conhece terras e povos pela janela do trem.”

Nietzsche (1878)

Em busca de sentido

Mereceu nota AA+ (Alta Qualidade) do caderno Eu&Fim de Semana, do Valor Econômico, o livro “Knulp”, do alemão Hermann Hesse (1877-1962). A obra, que teve reedição em português lançada pela Todavia em abril passado, conta a história de um jovem andarilho que perambula de cidade em cidade em busca de autoconhecimento e sentido para a vida. Publicado originalmente em 1915, “Knulp” foi inspiração para várias gerações de leitores e ainda hoje, segundo o artigo de Fabricio Vieira publicado no jornal, “mantém sua força narrativa e certo frescor, em especial neste pandêmico 2020, quando vagar sem destino ou compromisso parece algo tão distante e improvável”.

As preferências de Tolstói

Abaixo, alguns dos títulos lidos por Liev Tolstói (1828-1910) que mais o impressionaram e influenciaram dos catorze aos vinte anos de idade, conforme a biografia do escritor assinada por Rosamund Bartlett. Ao final, cenas em vídeo do aniversário de 80 anos e outras imagens raras de Tolstói, muitas delas na propriedade rural da família, Yasnaya Polyana, local de nascimento do escritor localizada a 12 quilômetros ao sudoeste de Tula e a 200 quilômetros ao Sul de Moscou.

“Evguiéni Oniéguin”, de Puchkin

“O Herói do Nosso Tempo”, Lérmontov

“Almas Mortas”, Gógol

“Notas de um Caçador”, Turguêniev

“Os Sofrimentos do Jovem Werther”, Goethe

“Os Salteadores”, Schiller

“Uma Viagem Sentimental” e “Tristram Shandy”, Sterne

“David Copperfield”, Dickens

“O Sermão da Montanha”, do Evangelho de Mateus

“Confissões” e “Emílio”, Rosseau

Pandemias

Maurício Meireles, da Folha de SP, listou novidades relacionadas ao tema pandemia que estão movimentando o mercado editorial. Segundo o colunista, tem editora apostando em obras inéditas, antecipando lançamentos e resgatando títulos já lançados. A ebooks, por exemplo, começa a publicar no próximo dia 29, “Breves Ensaios Sobre a Pandemia”, assinados por autores como o professor Marcos Nobre e a antropóloga Aparecida Villaça. A Intrínseca acaba de lançar “A Grande Gripe”, de John M. Barry, sobre a gripe espanhola, e “Inimigo Mortal – Nossa Guerra Contra os Germes Assassinos”, de Michael T. Osterholm e Mark Olshakerco. A editora Rocco, por sua vez, está lançando, no formato eletrônico, “Dentes Negros”, de André de Leones. Meireles cita ainda o anúncio da Record, que antecipou para agosto o lançamento da ficção científica “Meninas Selvagens”, de Rory Power, sobre meninas em quarentena numa escola, e “The Division”, de Alex Irvine, baseado no game de mesmo nome, sobre um vírus que se dissemina por Nova York.