As notícias falsas de Bilac

Bilac

Em artigo no blog O Leitor, da Veja, Maicon Tenfen lembra que as fake news são tão velhas quanto a imprensa. E até mesmo o célebre poeta e jornalista Olavo Bilac (1865-1918) se notabilizou também por embarcar nelas. Tenfen resgata episódio relatado no livro Bilac, O Jornalista, de Antonio Dimas, “um exaustivo trabalho de garimpagem literária graças ao qual temos acesso a praticamente a toda produção jornalística de Olavo Bilac”.

A pataquada em questão consta de uma crônica de Bilac publicada em dezembro de 1896 resgatada no livro de Dimas, onde o “príncipe dos poetas parnasianos” lança uma cáustica e injusta crítica aos “fanáticos de Antônio Conselheiro”, que em meio à barbárie que mais tarde se revelou ser a Guerra de Canudos eram então retratados como míseros sertanejos amotinados no sertão da Bahia sob o comando de um verdadeiro lunático.

Ao abordar erroneamente o conflito como um antro de prostituição e bebedeira, Bilac, conforme o professor e crítico Alfredo Bosi, “fez coro com os jornalistas mal informados e ideologizados da época; e, nesse particular, não foi mais perspicaz do que a maioria dos intelectuais seus contemporâneos, que viam nos jagunços de Canudos um (…) perigo para a jovem República e a civilização ocidental”.

Bilac, o Jornalista, de Antonio Dimas, ganhou o Prêmio Jabuti 2007 na categoria Teoria e Crítica Literária e foi lançado, em três volumes, pela Edusp (www.edusp.com.br).

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s