Viva Raul

Tarsila
Morro da Favela (1924), de Tarsila do Amaral

Para comemorar os 120 anos de nascimento – completados neste mês de agosto – do poeta gaúcho Raul Bopp (1898-1984), autor também de “Cobra Norato”, considerado, ao lado de Macunaíma, uma das obra-primas do modernismo brasileiro:

FAVELA

Meio-dia

 

O morro coxo cochila

O sol resvala devagarzinho pela rua

torcida como uma costela

 

Aquela casa de janelas com dor-de-dente

amarrou um coqueiro do lado

 

Um pé de meia faz exercício no arame

 

Vizinha da frente grita no quintal

– Jõao! Ó João!

 

Bananeira botou as tetas do lado de fora

Mamoeiros estão de papo inchado

 

Negra acocorou-se a um canto do terreiro

Pôs as galinhas em escândalo

 

Lá em baixo

passa um trem de subúrbio riscando fumaça

 

À porta da venda

negro bocejou como um túnel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s