Eliot em tradução elogiada marcou o ano na poesia

Em um ano marcado por reedições de importantes obras literárias, o grande destaque da cena poética no mercado editorial brasileiro foi “Poemas”, de T. S. Eliot (1888-1965), em tradução de Caetano Galindo e lançamento da Companhia das Letras. Considerado um dos maiores poetas de língua inglesa do Século XX, Eliot é autor de “A Terra Devastada”, lançado em 1922 e logo alçado a marco literário por, como lembra o escritor e crítico Rodrigo Garcia Lopes em artigo na Folha, romper com as convenções e oferecer ao leitor um verso livre, uma colagem dramática e descontínua.

Segundo o artigo, Galindo levou um ano e meio no trabalho de tradução de toda a obra poética de Eliot que compõe o livro recém-lançado. Embora o poeta americano – nascido em St. Louis, Missouri, como lembra Garcia Lopes, já tivesse sua poesia completa bem traduzida no Brasil, entre outros por Ivan Junqueira, a nova edição é menos empolada e mais concisa. Ainda de acordo com o articulista, teria sido a tradução mais difícil realizada pelo paranaense que já “enfrentou” nomes como James Joyce, Paul Auster e David Foster Wallace. Para Lopes, a tradução “mostra cuidado não só com o aspecto semântico, mas com os efeitos sonoros do original (rimas, ritmos, aliterações, assonâncias etc.), escassos em outras traduções”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s