Os gatos por T. S. Eliot

Inter-pelar um Gato

Falei de tudo quanto é gato,

Portanto agora eu só constato:

Você não tem impedimento

Pra ler o seu temperamento.

Pelo já dito você vê

Que os Gatos são como você

Ou eu, ou nós, ou tanta gente:

Que cada um é diferente.

Se um é são, outro é bem louco,

Alguns são tanto, outros tão pouco.

Um é resposta, outro é problema –

Mas cabem todos num poema.

Você viu gordos e viu fome,

Ficou sabendo do seu nome,

Seus hábitos e seu formato:

Mas

Como inter-pelar um Gato?

Primeiro, breve anotação:

Recorde: GATO NÃO É CÃO.

Cães amam simular desordem

E latem, mas nem sempre mordem;

Mas no geral um cão seria

Uma alma simples, eu diria.

É claro que há também Pequins,

Canídeos monstros e mastins.

Mas apesar do estardalhaço

Um cão normal é mais palhaço

E longe de ser orgulhoso

É normalmente vergonhoso.

É fácil pôr um cão na linha –

É só fazer uma cosquinha,

Ou um carinho no seu queixo,

Que ele é só riso e remelexo.

É gente boa e tão tranquilo

Que atende sempre, sem estrilo.

E não se esqueça do fato:

Que cão é cão – e GATO É GATO.

Ha uma regra sugestiva:

Deixar ao Gato a iniciativa.

Eu acho isso muito chato –

Por mim, que se inter-pele o Gato.

Mas eles sempre, isso é verdade,

Detestam muita intimidade.

Para evitar um desacato,

Eu inter-pelo: OH, CARO GATO!

Mas, sendo o gato do vizinho,

Que vejo sempre no caminho

(Que me visita, e que é cordato)

Eu digo UPA LÁ, SEU GATO!

Seu nome, eu acho, é Téo Tão Tonto,

Mas não chegamos a tal ponto.

Pra um gato vir a tolerar

Ser seu amigo e te aceitar,

Dê algo que ele não rejeite

Como um pratinho só com leite;

De vez em quando aceitará

Um caviar, ou um foie gras,

Uma compota ou um salmão –

Mas cada qual tem sua opção.

(Eu sei de um que é bem fedelho

E exige só comer coelho,

E quando acaba, lambe a pata

Sorvendo o caldo de batata.)

O Gato exige, por direito

Ter essas mostras de respeito.

E o seu receio um dia some,

E enfim você diz o seu NOME.

Pois ganso é ganso, e pato é pato.

É assim que se INTER-PELE UM GATO.

Do livro “T. S. Eliot – Poemas”, traduzido por Caetano Galindo e lançado no ano passado pela Companhia das Letras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s