Top ten para a quarentena

Ah, as listas. Em tempos de Coranavírus, já começaram a pipocar sugestões de livros “para enfrentar o confinamento”. Abaixo, a seleção da coluna “É Coisa Fina”, da Folha de São Paulo. Comentários adaptados da coluna e das apresentações das obras pelas editoras.

“Afetos Ferozes”, Vivian Gornick

História de uma filha que perambula por Manhattan com a sua mãe, já idosa, tentando estabelecer com ela uma relação, quase impossível, de proximidade e carinho.

“Pouco Amor Não É Amor”, Nelson Rodrigues

Livro de contos com todas as marcas do autor: muita ironia, muito exagero e muita gente que vive de pose sendo desnudada sem dó.

“Isso Também Vai Passar”, Milena Busquets

O livro da escritora catalã é por Blanca, uma protagonista que é, ao mesmo tempo, tão sincera, perdida e divertida, que o leitor mergulha em seu luto (pesadíssimo) e em suas férias bastante sexuais e ensolaradas.

“Do que É Feita a Maçã”, Amós Oz

Uma conversa do autor com uma amiga a respeito de tudo o que lhe inspira, lhe causa culpa e ainda sobre o amor, a paternidade e seus hábitos de escrita.

“Coisa de Menina?”, Maria Homem e Contardo Calligaris

Conversa aberta e honesta da qual o leitor pode participar trancado em casa e ainda “sair” bem informado sobre as discussões de gênero e o feminismo.

“O Lobo da Estepe”, Hermann Hesse

O protagonista, Harry Haller, de 50 anos, acredita que sua integridade depende da vida solitária que leva em meio às palavras de Goethe e das partituras de Mozart.

“O Conceito da Angústia”, Kierkegaard

O pensador dinamarquês, com ironia socrática e muito humor, usa o pseudônimo Virgilius Haufniensis (o Vigia de Copenhague) para esclarecer psicologicamente o conceito da angústia, que reflete a dialética da responsabilidade do indivíduo e da herança do mal no gênero humano.

“Formas de Voltar para Casa”, Alejandro Zambra

Terceiro romance do escritor chileno, narra as memórias de um homem cuja infância foi passada durante a ditadura do general Augusto Pinochet.

“Dias de Abandono”, Elena Ferrante

Traída e se sentindo abandonada pelo marido, a protagonista Olga enfrenta conflitos internos em meio à nuvem cinzenta da desolação e da nova e inquietante realidade que se apresenta.

“Quando os Pais se Separam”, Françoise Dolto

Editado na forma de uma grande entrevista conduzida por Inès Angelino, o livro é uma contribuição inestimável para a problemática das crianças atingidas pela separação dos país.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s