“As Brumas” em audiolivro

Conforme notícia do blog “Painel das Letras”, em nota assinada por Bruno Molinero, a saga em quatro volumes “As Brumas de Avalon”, best-seller dos anos 80 da norte-americana Marion Zimmer Bradley, vai ganhar versão em áudio no próximo mês de outubro. A novidade chega pela plataforma especializada em audiolivros Storytel, empresa de origem sueca que estreou na semana passada no mercado brasileiro. Para ter acesso ao conteúdo da plataforma, segundo o blog, é preciso pagar uma mensalidade de R$ 27,90. Ainda de acordo com o “Painel”, nos três primeiros dias de funcionamento, o título mais escutado foi “O Assassinato no Expresso Oriente”, de Agatha Christie.

Sobre o livro:

“Uma releitura monumental das lendas arturianas… Ler “As brumas de Avalon“é uma experiência profundamente tocante, e muitas vezes fantástica. Um resultado impressionante.”
THE NEW YORK TIMES BOOK REVIEW

“O enredo elaborado com maestria e a escrita maravilhosa de “As brumas de Avalon” jogam nova luz a antigos personagens, em especial Morgana das Fadas, Merlim, Lancelote e Gwenhwyfar. Um romance épico, com violência, ambição, lealdades dolorosas e feitiços assombrosos.”
PUBLISHERS WEEKLY

“Com a boca aberta”

“O sonho de Ariadna”, imagem de Cristina García Rodero, feita em Madri (1992) e publicada em ensaio recente com seis fotos no site do jornal El País. Cristina ingressou na agência Magnum em 2005 e é autora, entre outros, do livro “España Oculta”. Exposição completa no link: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/09/05/album/1567699805_480226.html#foto_gal_1

O surto do prefeito e a reação dos ministros

Imagem: br.freepik.com

“Sob o signo do retrocesso, cuja inspiração resulta das trevas que dominam o poder do Estado, um novo e sombrio tempo se anuncia, da intolerância, da repressão ao pensamento, da interdição ostensiva ao pluralismo de ideias e do repúdio ao princípio democrático.”

Do ministro do Supremo, Celso de Mello, em nota da colunista Mônica Bergamo, da FSP, sobre o surto de censor do prefeito do Rio na tentativa de proibir a venda de uma HQ com um beijo gay na Bienal do Rio, encerrada no domingo.

Por duas vezes os fiscais de Crivella estiveram no evento na busca de obras atentatórias, num episódio de repercussão internacional. Posteriormente, o STF ratificou a decisão de proibir a censura e fez uma defesa do ambiente de livre trânsito de ideias no país, “um pressuposto para o regime democrático”, conforme o presidente da corte, Dias Toffoli.

Novidades de King em livro e adaptações

Com novo livro na praça, “O Instituto”, previsto para chegar ao Brasil no próximo dia 20, Stephen King, prestes a completar 72 anos, terá sua obra adaptada para pelo menos mais sete produções no futuro próximo. Além de sua obra literária, frequentemente na lista dos livros mais vendidos, King é fenômeno global também nas telas desde sua estreia com “Carrie” (1974), adaptada para o cinema pela primeira vez em 76 como “Carrie, A Estranha”, sob direção de Brian de Palma. Entre os megassucessos recentes estão “It a Coisa” (com bilheteria estimada em mais de US$ 327 milhões), “À Espera de um Milagre”, e “Cemitério Maldito”.

Nascido em Portland (EUA), em 21 de setembro de 1947, o escritor é o nono autor mais traduzido no mundo. Seus 59 romances, seis livros de não-ficção e cerca de 200 contos já foram publicados em mais de 40 países.

Futuras adaptações para séries de tv, cinema e outros projetos

“Sleeping Beauties”

“O Talismã”

“Cujo: Canine Unit Joint Operations”

“The Dark Tower”

“Lisey’s Story”

“Mile 81”

“Os Estranhos”

A bizarrice do prefeito

O melhor das charges que, juntamente com os depoimentos indignados, protestos, beijaços e milhares de compartilhamentos da imagem censurada, derão o tom do penúltimo dia da Bienal do Rio 2019, que se encerra neste domingo e foi marcada pela ordem do alcaide para recolher do evento uma HQ com uma imagem de um beijo entre dois homens.

Abaixo resumo da história rocambolesca, conforme o site G1.

Na noite de quinta-feira, o prefeito Marcelo Crivella anuncia que vai mandar recolher exemplares de “Vingadores, a Cruzada das Crianças” da Bienal do Livro; 

Bienal informa que não vai retirar livros e que dá “voz a todos os públicos”;

Na manhã de sexta-feira, todos os exemplares à venda na Bienal se esgotam em pouco mais de meia hora;

No mesmo dia, fiscais da prefeitura vão ao local para identificar e lacrar livros considerados “impróprios”;

Fiscalização não encontra conteúdo em “desacordo com a legislação”;

Bienal recorre à Justiça para garantir “pleno funcionamento do evento”;

Desembargador concede liminar;

OAB diz que prefeitura não tem poder para recolher livros;

Fiscais da Secretaria de Ordem Pública (Seop) da Prefeitura do Rio voltam à Bienal na tarde de ontem, após decisão judicial que permitia a apreensão de livros com temática LGBT voltada para o público infanto juvenil sem lacre e avisos.