Brontë em miniatura

Foto do The Guardian

Uma miniatura de um manuscrito da então adolescente Charlotte Brontë (1816-1855), segundo notícia da agência Reuters, está voltando à casa onde a escritora passou a infância em West Yorkshire. A obra foi comprada por um museu britânico em um leilão em Paris por 780 mil euros. A campanha para a arrecadação dos recursos, segundo a agência, foi impulsionada por um pedido da atriz Judi Dench. Charlotte é autora do clássico “O Morro dos Ventos Uivantes”.

Clássico brasileiro em HQ

Reedição de clássico de José Mauro de Vasconcelos lançada em 2018

Segundo notícia do blog Babel, do Estadão, “O Meu Pé de Laranja Lima” – relançado em edição especial no ano passado pela Melhoramentos para marcar os 50 anos da obra, vai ganhar agora uma versão em quadrinhos. O livro de José Mauro de Vasconcelos (1920-1984) será adaptado por Luiz Antônio Aguiar e ilustrado por Franco de Rosa e equipe. O lançamento, pela mesma Melhoramentos, está previsto para março do ano que vem.

A edição em HQ, ainda de acordo com o blog, faz parte da iniciativa de resgate da obra do escritor, que deve contemplar, no total, 20 títulos. Nos próximos dias chegam às prateleiras “Banana Brava”, “Longe da Terra”, “Barro Blanco” e “Vazante”. Outros dez títulos devem ser lançados no ano que vem.

Patti Smith em São Paulo

Patti e o fotógrafo Robert Mapplethorpe em imagem de Norman Seeff , de 1969

A cantora, escritora e ativista Patti Smith está pela primeira vez no país, onde cumpre agenda de shows, e participa, hoje, de bate-papo aberto ao público em São Paulo. O evento, no teatro do Sesc Pompeia, está previsto para as 14h e marca o lançamento dos seus recentes livros “O Ano do Macaco”, seu terceiro volume de memórias, e “Devoção”, um misto de prosa e ensaio, ambos editados pela Companhia das Letras. As memórias da autora já havia rendido “Só Garotos” – vencedor do National Book Award em 2010 – e “Linha M”, lançado em 2016.

Equívocos na rede

Imagem: PicMix

Numa “Breve História dos Versos Apócrifos”, o jornal espanhol El País selecionou casos clássicos de poemas e textos que se disseminam pelas redes atribuídos a autores errados. No Brasil, Clarice Lispector já é campeã no gênero. Na lista do El País estão, entre outros, o caso do poema cujo começo diz “Primeiro vieram buscar os socialistas, e eu não disse nada, porque eu não era socialista”. O verso circula em diferentes versões e é usualmente atribuído a Bertold Brecht. Na verdade, é do pastor luterano Martin Niemöller.

“Se eu pudesse viver novamente minha vida, na próxima tentaria cometer mais erros”, começa o poema Instantes, geralmente atribuído ao escritor Jorge Luis Borges, mas sua autora é a norte-americana Nadine Stair. O poema A Morte Devagar, da brasileira Martha Medeiros, segundo o jornal, viralizou atribuído falsamente ao Nobel chileno Pablo Neruda. Começa assim: “Morre lentamente quem não viaja, / quem não lê, / quem não ouve música”.