A ‘pedra cantada’ das pandemias

Contágio: Infecções de origem animal e a evolução das pandemias por [David Quammen, Fernanda Abreu, Isa Mara Lando, Laura Teixeira Motta, Pedro Maia Soares]

Para quem depois de nove meses de sobrevivência ainda tem interesse em refletir sobre a pandemia do momento, a dica é “Contágio: Infecções de Origem Animal e a Evolução das Pandemias“, do americano David Quammen, lançado originalmente em 2012 e publicado em junho passado pela Companhia das Letras. O livro-reportagem, conforme artigo recente assinado por Reinaldo José Lopes na página de Ciência da FSP, mostra o perfeito roteiro seguido pelos patógenos, especialmente os de origem em zoonoses, que combina a “lógica impessoal do darwinismo com as forças mais caóticas (e frequentemente mais burras) das sociedades humanas”. 

O que já disseram do livro:

“Uma obra-prima fascinante do jornalismo científico, ao estilo de uma história de detetive.” — Walter Isaacson

“Pertinente e assustador.” — New York Times

“Um livro impossível de largar, cheio de aventuras e narrado a partir das linhas de frente de prevenção às pandemias.” — Wired

Brasileiros na lista da IJB

Boa notícia registrada no site da PublishNews. A Internationale Jugendbibliothek (IJB), maior biblioteca de literatura infantil e juvenil do mundo, localizada em Munique (Alemanha), incluiu na sua lista de 200 livros deste ano, a White Ravens, cinco obras brasileiras. A seleção é apresentada anualmente na Feira do Livro de Frankfurt e serve como referência mundial na indicação das melhores obras publicadas no ano. Abaixo os escolhidos do Brasil.

“Além da Chuva”, Michel Gorski e ilustrações de Fernando Vilela – FTD Educação

Trata de problemas ambientais ao contar a história de um homem que retorna a São Paulo em 2035 e encontra a cidade coberta pela vegetação.  

“Histórias Guardadas pelo Rio”, Lúcia Hiratsuka – Edições SM

No livro, os pescadores tiram histórias da água e vendem ou doam para as pessoas. Quando um jovem pescador não consegue mais pescar histórias, ele decide ir atrás do segredo da arte da pesca.

“Nós: Uma Antologia de Literatura Indígena”, Maurício Negro – Companhia das Letrinhas  

São dez histórias contadas ou recontadas por escritores de diferentes nações indígenas.

“Donana e Titonho”, Ninfa Parreiras e ilustrações de André Neves – Paulinas

Conta a história de um casal catador de lixo e mostra a realidade de uma família que representa as inúmeras pessoas que vivem à margem da sociedade.

“Blimundo: O Maior Boi do Mundo”, Celso Sisto e ilustrações de Elma – Rocco Jovens Leitores

Conto da tradição popular de Cabo Verde, o livro conta a história de um boi grande, forte, apaixonado pela liberdade e pela natureza, que vive num reino dominado por um tirano.

Shakespeare raro é vendido por quase US$ 10 milhões

William Shakespeare
Foto: Carlo Allegri/ Reuters

Segundo noticiado pela Reuters, um livro raro de 1623 que reuniu pela primeira vez as peças de Shakespeare foi vendido esta semana por um valor recorde de US$ 9,97 milhões em um leilão promovido pela Christie’s em Nova York.  O Primeiro Fólio, conforme a agência de notícias, contém 36 peças e é uma das seis cópias completas conhecidas em mãos privadas.  O livro foi colocado em leilão pelo Mills College, uma faculdade particular de artes em Oakland, na Califórnia.

Livro de Ruth Rocha vai se tornar série

Livro: Marcelo Marmelo Martelo e Outras Historias - Ruth Rocha | Estante  Virtual

“Marcelo, Marmelo, Martelo”, clássico da literatura infantil brasileira escrito por Ruth Rocha e lançado em 1976, vai se tornar uma série audiovisual com distribuição mundial. Segundo a Folha de SP, os direitos da obra foram adquiridos pela ViacomCBS para um projeto em parceria com a Coiote Produções. Ainda segundo a Folha, é a primeira vez que Ruth Rocha autoriza que os personagens sejam retratados no audiovisual. Com 50 anos de carreira, a autora tem mais de 180 livros publicados, foi traduzida para 25 línguas e já vendeu mais de 40 milhões de cópias.

Flip 2020 será de 3 a 6 de dezembro

NPG x126373; Bernardine Evaristo - Portrait - National Portrait Gallery
A escritora britânica Bernardine Evaristo, um dos destaques da programação da Flip 2020. Foto: National Portrait Gallery London 

Os organizadores anunciaram nesta semana que a 18ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip, acontecerá de 3 a 6 de dezembro, em formato virtual. A programação será transmitida pelas redes sociais do evento e contará com mesas transmitidas ao vivo, vídeos gravados, eventos paralelos e programações de parceiros. Entre as presenças já confirmadas para as mesas ao vivo estão as escritoras Bernardine Evaristo, vencedora do Booker Prize do ano passado, e a colombiana Pilar Quintana.

Em tempos de pandemia, a Flip anunciou também o início de uma campanha de financiamento coletivo para garantir a continuidade do Educativo Flip. Segundo informa o site Publishnews, esse programa conta com uma biblioteca, mediação de leitura, doação de livros, atividades recorrentes da Flipinha e FlipZona, além de apoio pedagógico para alunos da rede pública de ensino durante o ano todo. A arrecadação segue até 14 de outubro.