Livraria Saraiva anuncia plano de recuperação

Conforme noticiado essa semana pela Folha de SP, a Livraria Saraiva, rede líder de venda de livros no país e em processo de recuperação judicial desde o ano passado, apresentou seu plano de recuperação aos credores. A rede, que já fechou mais de 20 lojas em todo o país, está propondo pagar apenas 5% da sua dívida em 15 anos, com 12 meses de carência. Os 95% restantes da dívida seriam transformados em debêntures a serem emitidos em 2034. A dívida total da rede atinge cerca de R$ 684 milhões. Processo semelhante enfrenta a Livraria Cultura, também em recuperação judicial e com uma dívida de R$ 285 milhões.

Os livros na Espanha

O percentual de espanhóis com mais de 14 anos que afirmam ser leitores frequentes de livros aumentou 7% nos últimos quatro anos, atingindo 67,2% da população. Os dados foram apurados pela associação de editores da Espanha e divulgada recentemente pelo site do jornal El Mundo. A pesquisa revela ainda que as mulheres lêem mais que os homens, 67,2% contra 56,2% e que os livros mais vendidos no país em 2018 foram “Patria”, de Fernando Aramburu; “A Catedral do Mar”, de Ildefonso Falcones; e “Batzan”, de Dolores Redondo.

História de Baldwin é destaque no Oscar 2019

“Se a Rua Beale Falasse” foi um dos grandes destaques entre as indicações do Oscar 2019 anunciadas recentemente. Adaptado do romance homônimo de James Baldwin (1924-1987), lançado aqui pela Companhia das Letras – editora também de “Terra Estranha” e “O Quarto de Giovanni”, o filme é dirigido por Barry Jenkins (Moonlight) e concorrerá em três categorias: Melhor Roteiro Adaptado (Jenkins), Melhor Atriz Coadjuvante (Regina King) e Melhor Trilha Sonora (Nicholas Britell).

O livro de Baldwin foi publicado originalmente em 1974 e chega aqui agora em versão de Jorio Dauster (diplomata, ex-presidente da Vale e consagrado tradutor de escritores como J. D. Salinger e Nabokov). A primeira tiragem, segundo o blog da Companhia das Letras, sai com sobrecapa especial baseada no pôster do filme, que, por sua vez, estreia nos cinemas do país a partir do dia 7 próximo.

Marie Kondo na mira dos amantes de livros

Ela é autora de livros traduzidos em mais de 40 idiomas e com mais de 7 milhões de cópias vendidas, já figurou na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo publicada pela Revista Time e é protagonista de um reality show de sucesso mundial no Netflix.

Agora a japonesa, especialista em organização pessoal, Marie Kondo ganhou ainda mais destaque ao despertar a ira dos amantes dos livros. Em um episódio do seu programa – no Brasil chamado “Ordem na Casa com Marie Kondo”, ela aconselha um jovem casal a abrir mão da quase totalidade de seus livros em nome da organização. “Pegue cada livro em suas mãos e veja se ele traz alegria para você” é uma das recomendações da especialista duramente criticada na imprensa e nas mídias sociais.

Em artigo recente no Washington Post, Ron Charles afirma que “este é o conselho fundamental de Kondo, que ela aplica a tudo, desde meias incompatíveis até o antigo Tupperwares”. Para ele, o método Kondo pressupõe uma espécie de autoconsciência que nenhum verdadeiro amante da literatura realmente tem. “Nós não mantemos livros porque sabemos que ‘tipo de informação e importante para nós neste momento’. Nós os mantemos porque não sabemos”, defende Ron Charles, dono de uma biblioteca com milhares de volumes, sobre os quais diz: “Eles são uma mistura de boas lembranças, desafios intelectuais e prazeres futuros que não apenas acendem, mas aquecem toda a casa.”

Lello dá a volta por cima e bate recorde de vendas

Depois de quase fechar as portas por dificuldades financeira, aquela que figura em nove de cada dez listas das “livrarias mais bonitas do mundo”, a Lello e Irmão, localizada há 113 anos (completados no último dia 13) na cidade do Porto, não só voltou a dar lucro como já é recordista em vendas em Portugal. A informação é da blogueira, do UOL, Giuliana Miranda.

A mágica se deu a partir de 2015 quando a Lello passou a cobrar entrada na livraria (5 euros que podem ser revertidos em compras). Explica-se: a livraria é um dos principais pontos turísticos da cidade e nos últimos anos viu uma horda de Harry Potter-maníacos literalmente invadirem suas instalações para sessões de fotos. É que a escritora J. K. Rowling, autora do maior fenômeno editorial dos tempos modernos teria morado na cidade do Porto e se inspirado nas belíssimas escadarias da Lello para compor a atmosfera da biblioteca de magia de Hogawarts.

Segundo a direção da livraria, cerca de 40% dos visitantes acabam comprando livros, o que em 2017 (os números de 2018 ainda não foram divulgados) representou uma média de 1.300 volumes vendidos diariamente. Antes do início da cobrança de entrada, a média era de 190 livros/dia.