Tesouros de grandes colecionadores

Parte do acervo da BMA, em foto publicada no site do Projeto São Paulo City

Para quem estiver em SP até o próximo dia 12 de dezembro a dica é a exposição “Grandes Colecionadores”, aberta hoje (3/10) na Biblioteca Mário de Andrade. A mostra reúne exemplares da trajetória pessoal de bibliófilos que doaram ou venderam suas coleções para a instituição e pode ser vista diariamente das 10h às 19h. Entre outras inúmeras raridades, os visitantes poderão conhecer acervos de nomes como o Barão Homem de Mello (1837-1918), Paulo Prado (1869-1943) e Otto Maria Carpeaux (1900-1978). Conforme notícia de ” O Estado de SP”, do jornalista e ensaista Carpeaux, por exemplo, estará em exibição a edição bilíngue com poemas de Carlos Drummond de Andrade organizada por Hans Magnus Enzensberger e publicada em 1965 pela alemã Suhrkamp.

Fundada em 1925 a partir do acervo da Câmara Municipal, a “Mário de Andrade” é a principal biblioteca pública da cidade de São Paulo e conta com um patrimônio de cerca de 3,3 milhões de títulos, além de um amplo conjunto de manuscritos, incunábulos (obras que imitavam manuscritos e foram impressas nos primórdios da impressão com tipos móveis), gravuras e mapas, entre outros itens raros.

Comentados no “Aliás”

Quatro lançamentos abordados em artigos do “Aliás”, do jornal O Estado de SP, do último final de semana. Dois sobre a formação de bibliotecas ao longo dos séculos, outros dois sobre a solidão e a nova edição de um clássico da literatura brasileira, de 1895 e considerado o primeiro romance gay do país.

“História das Bibliotecas: de Alexandria às Bibliotecas Virtuais”, Frédéric Barbier – Edusp

“A Biblioteca: uma História Mundial”, James W.P. Campbell e Will Pryce – Edições Sesc

“História da Solidão e dos Solitários”, George Minois – Unesp

“Bom Crioulo”, Adolfo Caminha – Todavia

Obras-primas liberadas

A dica para quem se interessa por arte vem de Tainá Corrêa, da revistabula.com. São 330 obras sobre o tema liberadas para download gratuito (no formato pdf), em uma cortesia da Getty Publicações. “São títulos premiados, publicados entre 1968 e 2018, e podem ser pesquisadas por temas, títulos, autores ou palavras-chave. Além de catálogos raros e estudos críticos, o acervo contempla obras sobre arqueologia, fotografia, pintura, escultura, arquitetura, história da arte, cerâmica, conservação e restauração; tanto para o público em geral, quanto para especialistas.” 

http://www.getty.edu/publications/virtuallibrary/index.html

As mais bonitas do Brasil

Para quem, como eu, tem grande apreço pelas bibliotecas públicas, a repórter Mariana Felipe, da Revista Bula, listou, por meio de votação dos seus leitores, as “15 mais bonitas do país”. A primeira delas aberta ao público no Brasil, segundo o artigo, foi em 1811, na Bahia. Estima-se que hoje existam 6 mil no país.

Real Gabinete Português de Leitura – Rio de Janeiro

Aberta ao público desde 1900, possui a maior coleção de obras lusófonas fora de Portugal, com cerca de 350 mil volumes. Ocupa edifício gótico-renascentista, inaugurado em 1887.

Biblioteca Pública do Paraná – Curitiba

Fundada em 1857, possui acervo de aproximadamente 650 mil livros, além de jornais, revistas, mapas, manuscritos etc.

Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

Criada por D. João em1810 possui hoje acervo estimado em 9 milhões de peças e é considerada pela Unesco uma das dez maiores bibliotecas nacionais e a maior da América Latina.

Biblioteca da Floresta – Rio Branco

Inaugurada em 2007, é especializada em autores e temas da Amazônia e do Acre. Fica no Parque da Maternidade.

Biblioteca Nacional de Brasília

Possui acervo de cerca de 30 mil obras e, embora projetada no plano original da capital federal, do arquiteto Lúcio Costa, só foi entregue ao público no final de 2006.

Biblioteca Mário de Andrade – São Paulo

Fundada em 1925, ocupa edifício projetado pelo francês, Jaques Pilon, e é considerado um ícone da art-déco na capital paulista.

Biblioteca Pública Estadual do Amazonas – Manaus

Inaugurada em 1910, ocupa um prédio em estilo neoclássico e tem acervo com mais de 70 mil peças.

Biblioteca Infante D. Henrique – Salvador

Fundada em 1863 como Gabinete Português de Leitura de Salvador, tem sua atual sede em estilo gótico projetado pelo arquiteto italiano Alberto Barelli e acervo de cerca de 25 mil volumes.

Biblioteca de São Paulo

Inaugurada em 2010, faz parte do projeto de revitalização da área onde funcionou o presídio do Carandiru. Ocupa área de mais de 4 mil metros quadrados e tem acervo de 43 mil títulos.

Biblioteca Parque de Manguinhos – Rio de Janeiro

Inaugurada em 2010, conta com acervo de cerca de 25 mil volumes e foi inspirada em experiências adotadas em Medelín e Bogotá, na Colômbia.

Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais – Belo Horizonte

Fundada em 1954, foi projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e possui acervo de cerca de 550 mil exemplares, entre livros, revistas e jornais.

Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul – Porto Alegre

Criada oficialmente em 1871, foi aberta ao público em 1922 e possui acervo de 240 mil peças, entre elas livros raros dos séculos XVI ao XIX.

Biblioteca Pública do Estado da Bahia – Salvador

Criada em 1811, foi a primeira biblioteca pública da América do Sul e possui acervo de 120 mil livros, entre eles cerca de 60 mil títulos raros publicados desde o séculos XVI.

Biblioteca Pública Benedito Leite – São Luís´

É a maior do Estado, com acervo de cerca de 140 mil títulos. Fundada em 1826, foi transferida para a atual sede em 1951.

Biblioteca Pública do Acre – Rio Branco

Inaugurada em 1979, conta com acervo de cerca de 25 mil livros e funciona como centro cultural com mostras de filmes, cursos e oficinas.