Mary Shelley na Netflix

Boa dica para conhecer um pouco da vida de uma das principais escritoras de língua inglesa e, ao mesmo tempo, entender um pouco a gênese de um dos grandes clássicos da literatura mundial: o Dr. Frankenstein. É “Mary Shelley”, filme dirigido por Haifaa Al Mansour e com Elle Fanning no papel-título, disponível na Netflix, que mostra a história do romance entre ela e Percy Shelley, um poeta consagrado (e casado) da Londres do início do Século XIX. 

Amado eterno

Jorge-Amado-e-Zelia-Gattai
Jorge e Zélia Gattai em foto do Wall Street International Magazine

Novidade nas prateleiras. Escrito pela jornalista Joselia Aguiar após sete anos de pesquisa, “Jorge Amado – Uma Biografia” sai pela Todavia e já tem eventos de lançamento agendados em Salvador (27/11) e São Paulo (13/12). São 640 páginas dedicadas à vida e obra do mais bem sucedido escritor brasileiro, morto em 2001, com  sua obra traduzida para cerca de 50 idiomas e imortalizado por obras como  “O País do Carnaval”, seu romance de estreia lançado em 1931, “Gabriela, Cravo e Canela” (1958), “Dona Flor e seus Dois Maridos” (1966) e “Tieta do Agreste” (1977).

126 anos de Graciliano

Graciliano I
Graciliano acompanhado do editor José Olympio e do pintor Cândido Portinari

Há 126 anos, completados ontem, nascia em Quebrangulo (AL) um dos mais importantes nomes da nossa literatura em todos os tempos: Graciliano Ramos de Oliveira. O autor de clássicos como “Vidas Secas” e “São Bernardo”, publicou seu primeiro conto, “Pequeno Pedinte”, no jornal do internato alagoano onde estudava em 1904. Em 1925 iniciou seu primeiro romance, “Caetés”. Além de escritor consagrado, Graciliano teve uma biografia movimentada, que incluiu a função de prefeito de Palmeira dos Índios e o encarceramento no presídio da Ilha Grande, no Rio.

Abaixo alguns dos principais títulos do escritor.

Caetés – 1933

Angústia – 1936

Vidas Secas – 1938

Infância – 1945

Insônia – 1947

Memórias do Cárcere – 1953

Viagem – 1954

Linhas Tortas – 1962

Viventes das Alagoas – 1962

O hino de Machado

machado-abl-1.jpg

Para quem acha que já se sabia tudo sobre Machado de Assis, o repórter Maurício Meireles revela, em matéria da Folha, um achado inédito do escritor. Uma letra de hino nacional escrita em 1867 em homenagem ao aniversário de 42 anos do monarca Dom Pedro II e encontrada pelo pesquisador Felipe Risssato no arquivo da Biblioteca Pública de Florianópolis. Segundo a matéria, o hino é composto de sete estrofes em redondilhas maiores (versos de sete sílabas poéticas). “Das florestas em que habito/Solto um canto varonil:/Em honra e glória de Pedro/ O gigante do Brasil” é o trecho inicial e refrão da música.

As muitas faces de Silvio

Silvio

Nosso mais célebre “self-made man”, Silvio Santos acaba de ganhar mais um título dedicado à sua vida privada, de apresentador de TV e, sobretudo, de homem de negócios. “Topa Tudo por Dinheiro: as Muitas Faces do Empresário Silvio Santos”, livro-reportagem do jornalista Mauricio Stycer, é fruto de uma pesquisa de seis meses e teve como fonte biografias de Silvio, reportagens e entrevistas feitas pelo autor. O livro, em edição da Todavia, está sendo lançado nessa semana em São Paulo.