Memória de novembro

Além dos 96 anos da morte de Lima Barreto, novembro é marco também do nascimento e da perda de outras importantes figuras da literatura brasileira. Abaixo, alguns dos principais marcos do mês.

3 – Morte de Caio Prado Júnior, em 1990 e do poeta Gonçalves Dias, em 1864

4 – Morte de Raquel de Queiroz, em 2003

5 – Nascimento de Rui Barbosa, em 1849, e do teatrólogo Martins Pena, em 1815. É também o dia da morte de Mário Pedrosa, em 1981

7 – Nascimento de Cecília Meireles, em 1901

9 – Nascimento de Dinah Silveira de Queiroz, em 1911; morte de Sérgio Milliet, em 1966, e de Cecília Meireles, em 1964

12 – Morte de Augusto dos Anjos, em 1914

17 – Nascimento de Manuel Antônio de Almeida, em 1831, e de Rachel de Queiroz, em 1910

19 – Morte de Guimarães Rosa, em 1967, e de Plínio Marcos, em 1999

20 – Morte de Celso Furtado, em 2004

24 – Nascimento de Cruz e Souza, em 1861

26 – Morte de Gregório de Matos, em 1695

27 – Nascimento de Adonias Filho, em 1915, e morte de Dinah Silveira de Queiroz, em 1982

28 – Morte de Érico Veríssimo, em 1975

Em memória de Lima

Lima

Hoje completam-se 96 anos da morte de Afonso Henriques de Lima Barreto. Nascido no Rio de Janeiro, o jornalista e escritor morreu aos 41 anos, vítima de um colapso cardíaco. Entre outros clássicos, é autor de “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, “Triste Fim de Policarpo Quaresma” e “Os Bruzundangas”. Recentemente ganhou um monumental e aclamada biografia, assinada por Lilia Moritz Schwarcz.  O livro, segundo o site da editora, é “um tributo essencial a um dos maiores prosadores da língua portuguesa de todos os tempos, ainda moderno quase um século depois de seu triste fim na pobreza, na doença e no esquecimento”.

Drummond mais

 

carlos-drummond-de-andrade-1.jpgHá 116 anos nascia, em Itabira (MG), nosso mais universal, mais influente e mais popular poeta: Carlos Drummond de Andrade. Contista, cronista e jornalista de qualidade igualmente celebrada, Drummond morreu aos 85 anos, em 17 de agosto de 1987, na cidade do Rio de Janeiro, vítima de um infarto.

Abaixo um dos seus poemas eternizados no repertório do povo brasileiro.

QUADRILHA

João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre,

Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.

Celebrando os livros

mantrarea

Com pelo menos três datas para homenagear os livros, o país comemora hoje o Dia Nacional do Livro, estabelecido em razão de ser, também, a data de fundação da Biblioteca Nacional do Livro, em 1810, pela Coroa Portuguesa. Comemoramos ainda, em 18 de abril, o Dia Nacional do Livro Infantil, no caso em homenagem ao nascimento do escritor Monteiro Lobato, e no dia 23 do mesmo mês, o Dia Internacional do Livro.