Ellis lança livro de ensaios

Ellis em foto do The New York Times

Depois de uma lacuna de nove anos, o escritor americano Bret Easton Ellis (1964) lança, no próximo dia 16, sua primeira obra de não-ficção, o livro de ensaios “White”. A informação é do The New York Times em matéria traduzida e publicada pelo Estadão.

Ellis, autor do célebre “Psicopata Americano”, de 1991, ganhou fama mundial com seu livro de estreia “Less Than Zero” (“Menos que Zero” na edição em português), de 1985. Segundo a matéria, “sua ficção violentamente niilista e sua persona pública politicamente incorreta têm lhe valido tanto aclamações quanto fúria. Após três décadas de carreira, com cinco romances, uma coleção de contos, um podcast e sucessivas polêmicas na mídia, Ellis ainda tem o que dizer”.

Sem consenso

Uma pergunta que é feita desde sempre e que continua sem uma resposta unânime é o tema do livro Arte é o que Eu e Você Chamamos de Arte?, do crítico e historiador Frederico Morais. A obra, segundo noticia o Aliás, do Estadão, foi publicada originalmente em 1998 e acaba de ser reeditada pela Bazar do Tempo. O livro reúne 801 reflexões sobre a arte por figuras como Socrátes, São Tomás de Aquino e Leonardo da Vinci.

Abaixo três respostas registradas no livro e publicadas no artigo de André Cáceres no Estadão:

“A arte é a arte”

“Arte é um conceito estatístico. Se há gente suficiente que decide que uma coisa é arte, então é arte”

“Tudo é arte. Nada é arte”

Fragmentos de volta

Escrito em 1977 pelo filósofo estruturalista francês, Roland Barthes, e até então fora de catálogo no Brasil, “Fragmentos de um Discurso Amoroso” ganha nova edição pela Unesp, com tradução de Hortênsia Santos. Conforme assinala nota do Ilustríssima, da Folha, “o livro divide-se em dezenas de termos, cada um deles com universo próprio, buscando explicar a experiência do amor e o sujeito apaixonado a partir do ponto de vista da linguagem”.

Novos ensaios de Franzen

Acaba de sair em português, de Portugal, o novo livro do norte-americano Jonathan Franzen, “O Fim do Fim da Terra”, lançado lá pela Dom Quixote. “O Fim…” é um conjunto de ensaios escritos por Franzen, em sua maior parte, nos últimos cinco anos abordando temas como o complexo relacionamento com o tio quando jovem adulto em NY e outros como 
alterações climáticas, redes sociais, tecnologia e consumismo.

Por aqui, aparentemente, não há, ainda, anúncio de data para lançamento. No site da Companhia das Letras não há menção ao novo título. Abaixo obras do autor lançados no Brasil pela editora. 

“Pureza”, 2016

“Tremor”, 2012

“Como Ficar Sozinho” (Ensaios), 2012

“As Correções” (Ed. econômica), 2011

“Liberdade”, 2011

“A Zona do Desconforto – Uma História Pessoal”, 2008