Os sucessos da Flip 2019

Abaixo os 30 livros mais vendidos na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) encerrada no final da semana passada, conforme noticiado pelo Estadão.

“Memórias da Plantação – Episódios de Racismo Cotidiano”, Grada Kilomba – Cobogó

“Fique Comigo”, Ayobami Adebayo – HarperCollins

“Ideias Para Adiar o Fim do Mundo”, Ailton Krenak – Companhia das Letras

“Sobre o Autoritarismo Brasileiro”, Lilia Moritz Schwarcz – Companhia das Letras

“Também os Brancos Sabem Dançar”, Kalaf Epalanga – Todavia

“Meu Pequeno País”, Gael Faye – Rádio Londres

“Uma Noite Markovitch”, Ayelet Gundar-Goshen – Todavia

“Maternidade”, Sheila Heti – Companhia das Letras

“O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho”, Sidarta Ribeiro – Companhia das Letras

“Lugar de Fala”, Djamila Ribeiro – Polen

“Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis”, Jarid Arraes – Polen

“Cat Person e Outros Contos”, Kristen Roupenian – Companhia das Letras

“Redemoinho em Dia Quente”, Jarid Arraes – Alfaguara

“O Corpo Dela e Outras Farras”, Carmen Maria Machado – Planeta

“A Terra Inabitável: Uma História do Futuro”, David Wallace Wells -Companhia das Letras

“Paletó e Eu: Memórias do Meu Pai Indígena”, Aparecida Villaça – Todavia

“Noite em Caracas”, Karina Sainz Borgo – Intrínseca

“Os Sertões”, Euclides da Cunha – Penguin/Companhia das Letras

“A Maquinação do Mundo: Drummond e a Mineração”, José Miguel Wisnik – Companhia das Letras

“Não Há Tempo a Perder”, Amyr Klink – Tordesilhas

“Forças Armadas e Política no Brasil”, José Murilo de Carvalho – Todavia

“As Mulheres de Tijucopapo”, Marilene Felinto – Edição do Autor

“Olhos D’Água”, Conceição Evaristo – Pallas

“As Coisas que Perdemos no Fogo”, Mariana Enriquez – Intrínseca

“Para Educar Crianças Feministas: Um Manifesto”, Chimamanda Ngozi Adichie – Companhia das Letras

“Os Sertões” – Edição Crítica”, Euclides da Cunha – Ubu

“Cumbe”, Marcelo D’Salete – Veneta

“Sobre Lutas e Lágrimas: Uma Biografia de 2018″, Mario Magalhães – Record

“O Pecado Original da República – Personagens e Eventos Para Compreender o Brasil”, José Murilo de Carvalho – Bazar do Tempo

“Brincando com Luccas Neto”, Luccas Neto – Pixel

Marc Ferrez no IMS

Pão de Açúcar, visto de Niterói. RJ, c. 1890. Coleção Jennings Hoffenberg/Acervo IMS

Prossegue até o dia 25 de agosto próximo, na sede paulistana do Instituto Moreira Salles, a exposição “Marc Ferrez: Território e Imagem”. Principal fotógrafo brasileiro do Século XIX, Ferrez teve seu acervo de 15 mil imagens adquirido pelo IMS em 1998.

A exposição mostra 300 itens do acervo próprio e de outras instituições – fotografias, negativos de vidro, estereoscopias, autocromos, câmeras e equipamentos, documentos e correspondências – e se propõe a discutir “o papel da imagem fotográfica no processo de exploração do território nacional, em suas diversas regiões, e de sua construção e consolidação como ideia de nação, em especial durante o Segundo Império e início da República”.

Ferrez (1843-1923) e sua obra são tema, também, de coletâneas de fotografia e ensaio publicados pelo mesmo IMS. As edições de “Rio de Marc Ferrez” e “O Brasil de Marc Ferrez” seguem indisponíveis no momento. Já “Marc Ferrez: Uma Cronologia da Vida e da Obra”, organizado por Ileana Pradilla Ceron, pode ser adquirido no site lojadoims.com.br. O livro é fruto da mais extensa pesquisa biográfica realizada até hoje sobre o fotógrafo.

Começa hoje a venda de ingressos para a Flip 2019

Começa hoje, dia 3, a venda de ingressos (R$ 55) para a 17ª Festa Literária Internacional de Paraty. O evento será entre os dias 10 e 14 de julho e a entrada pode ser adquirida no site da Flip. Durante a Festa, os ingressos só poderão ser adquiridos na bilheteria oficial instalada na cidade de Paraty. Programação completa e outras informações no site http://www.flip.org.br.

A Festa Literária desse ano homenageia Euclides da Cunha e terá, segundo os organizadores, a participação de 30 convidados brasileiros e estrangeiros.

Páginas de Waltercio Caldas

Foto da Revista Zum/Instituto Moreira Salles

Os “malditos” Poe e Baudelaire reunidos em “Marcador Universal”, obra do artista plástico Waltercio Caldas (1946), de 2014, que integrou a 33 Bienal Internacional de São Paulo e está, no momento, em exposição na Grande Galeria do Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Da capital mineira, o recorte da Bienal, do qual a obra faz parte, segue para cidades como Campinas (SP), Vitória (ES), Juiz de Fora (MG), São José do Rio Preto (SP), Brasília (DF), Porto Alegre (RS) e Medellín (Colômbia).

Fazendo a feira na Argentina e Colômbia

Feira do Livro de Bogotá

Duas grandes feiras devem movimentar o mercado de livros na América Latina a partir do próximo dia 25 de abril. A maior delas, com uma média de visitantes de cerca de 1 milhão de pessoas, acontece em Buenos Aires e prossegue até 13 de maio. No mesmo dia, será aberta, também, a Feira do Livro de Bogotá, que vai até 6 de maio e que reuniu em sua edição anterior cerca de 550 mil visitantes.

Por aqui, um dos maiores eventos do gênero do país, a Bienal Internacional de São Paulo, está agendada para o período entre 30 de outubro e 8 de novembro do ano que vem. Em 2018, a Bienal de SP teve um público (decrescente em relação à edição de 2016) de 663 mil visitantes, segundo a Câmara Brasileira do Livro, realizadora da Bienal.