Demasiado humano

Pensador igualmente admirado por Albert Camus e Adolf Hitler, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900), ou melhor, sua mais recente biografia “Eu Sou Dinamite! A vida de Friedrich Nietzsche” é tema de artigo assinado por Pedro Duarte e publicado no site da FSP. Segundo ele, o livro, da historiadora Sue Prideaux, lançado aqui pela Crítica/Grupo Planeta, tem entre seus méritos o fato de abordar não os grandes feitos da figura heróica do filósofo, mas “a vida de um homem ao rés do chão”. “É uma descida mundana que restitui a humanidade real dos personagens, em vez de corroborar sua idealização”, avalia. 

Matéria na íntegra pelo link https://quatrocincoum.folha.uol.com.br/br/resenhas/b/a-vida-como-ela-e.

Veja o que foi comentado sobre a obra também nos principais jornais da Grã-Bretanha:

“Livro esplêndido. Um relato maravilhosamente escrito, e muitas vezes comovente, de uma vida dedicada à conquista da grandeza intelectual e à exploração das condições para o seu florescimento. Nietzsche ficaria orgulhoso…” – The Financial Times

“Esta é a biografia que Friedrich Nietzsche tem clamado desde o dia em que perdeu a razão e abraçou um cavalo em uma praça de Turim, em 1889. Prideaux traz uma luz calma e constante para suportar o mais incandescente dos poetas-filósofos, com resultados esclarecedores”. – The Guardian

Ícone mundial do feminismo fará conferências no RJ e SP

Símbolo máximo da militância pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos EUA, Angela Davis em foto da Revista Cult

Divulgadas as datas das duas conferências que a filósofa e ativista Angela Davis dará em sua visita ao Brasil, onde promove também seu livro “Uma Autobiografia”, lançado aqui em abril passado pela Boitempo. A primeira A Liberdade É uma Luta Constante, acontece no dia 19 de outubro, no Sesc Pinheiros, na capital paulista. Dois dias depois, 21/10, a escritora volta ao centro do debate no auditório Ibirapuera, também em SP. Na sequência, Davis passa ainda pelo Rio de Janeiro, onde, no dia 23, apresenta conferência e recebe medalha da Assembleia Legislativa.

Segundo Schopenhauer

Jean-Michel Basquiat em foto de James van der Zee

“A piedade, princípio de toda a moralidade, toma também os animais sob a sua proteção, ao passo que nos outros sistemas de moral européia, têm para com ele pouquíssima responsabilidade e solicitude. A suposta ausência de direito dos animais, o preconceito de que o nosso procedimento para com eles não tem importância moral, que não existem, como se diz, deveres para com os animais, é justamente uma ignorância revoltante, uma barbaridade do Ocidente, cuja origem está no Judaismo…

É preciso recordar, a esses desprezadores dos animais, a esses ocidentais judaizados, que assim como eles foram amamentados pelas mães, também o cão teve mãe que o amamentou.

A piedade com os animais está tão intimamente ligada com a bondade de caráter, que se pode afirmar que quem é cruel com os animais não pode ser bom.”

Do livro “Dores do Mundo”, do filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860), em edição da Ediouro.