Sobre fotojornalismo

Cinco livros sobre fotojornalismo, destacados pela blogueira Bruna Teixeira, no site briohunter.org.

“O Clube do Bangue-Bangue”, Greg Rinovich e João Ferreira – Companhia das Letras

“Os Tempos da Fotografia: o Efêmero e o Perpétuo”, Boris Kossoy – Ateliê

“Imagens da Fotografia Brasileira 1 e 2”, Simonetta Persichetti – Estação Liberdade

“Fotografia e Jornalismo: a Informação pela Imagem”, Dulcília Schroeder Buitoni e Magaly Prado – Saraiva

“Fotojornalismo: Introdução à História, às Técnicas e à Linguagem da Fotografia na Imprensa”, Jorge Pedro de Souza – Letras Contemporâneas

Maureen no sertão

Imagem de “Sertões: Luz e Trevas”, de Maureen Bisilliat, lançado pelo Instituto Moreira Salles (IMS) na recente edição da Feira Literária Internacional de Paraty. Reedição do livro lançado originalmente em 1982, “Sertões” é resultado de viagens da fotógrafa inglesa, radicada no Brasil no início da década de 60 pelo Nordeste do país, onde capturou “os contrastes e a beleza de um mundo rude e forte”, conforme o site do IMS. As fotos são acompanhadas de trechos de “Os Sertões”, de Euclides da Cunha, autor homenageado na edição deste ano da Flip.

O ouro de Sebastião Salgado

O fotógrafo Sebastião Salgado assina a mostra “Gold – Mina de Ouro Serra Pelada”, em cartaz no Sesc da Avenida Paulista (SP), da próxima quarta-feira (17) até 3/11. São mais de 50 imagens do que foi o maior garimpo a céu aberto do mundo, na Amazônia, registradas por Salgado nos anos 80. O portfólio completo das fotos será lançado, pela Taschen, na abertura da exposição.

A ancestralidade das árvores

Foto do livro “Ancient Trees: Portraits of Time”, da fotógrafa americana Beth Moon, tema de matéria recente publicada no site da BBC Brasil (ttps://www.bbc.com/portuguese/geral-48684390). Resultado de viagens da autora por lugares da Ásia, Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e África, o livro revela imagens de algumas das árvores mais antigas da terra e pode ser adquirido, em edição importada, sob encomenda, no site da Amazon.

Marc Ferrez no IMS

Pão de Açúcar, visto de Niterói. RJ, c. 1890. Coleção Jennings Hoffenberg/Acervo IMS

Prossegue até o dia 25 de agosto próximo, na sede paulistana do Instituto Moreira Salles, a exposição “Marc Ferrez: Território e Imagem”. Principal fotógrafo brasileiro do Século XIX, Ferrez teve seu acervo de 15 mil imagens adquirido pelo IMS em 1998.

A exposição mostra 300 itens do acervo próprio e de outras instituições – fotografias, negativos de vidro, estereoscopias, autocromos, câmeras e equipamentos, documentos e correspondências – e se propõe a discutir “o papel da imagem fotográfica no processo de exploração do território nacional, em suas diversas regiões, e de sua construção e consolidação como ideia de nação, em especial durante o Segundo Império e início da República”.

Ferrez (1843-1923) e sua obra são tema, também, de coletâneas de fotografia e ensaio publicados pelo mesmo IMS. As edições de “Rio de Marc Ferrez” e “O Brasil de Marc Ferrez” seguem indisponíveis no momento. Já “Marc Ferrez: Uma Cronologia da Vida e da Obra”, organizado por Ileana Pradilla Ceron, pode ser adquirido no site lojadoims.com.br. O livro é fruto da mais extensa pesquisa biográfica realizada até hoje sobre o fotógrafo.