A história de Marsha contada por Rita Lee

A boa notícia, vista no blog Era Outra Vez, da FSP, é que a história da ursa Marsha, agora batizada de Rowena, vai ser contada por Rita Lee. Contrabandeada da Rússia e depois resgatada de um circo, Marsha vivia no zoológico de Teresina (PI) sob temperaturas de 40 graus, o que a tornou conhecida como a ursa mais triste do mundo em matérias que comoveram todo o país. Segundo informa o blogueiro Bruno Molinero, o livro “Amiga Ursa – Uma História Triste, mas com Final Feliz” deve ser lançado no próximo mês de julho, pela Globinho.

“Chapeuzinho Vermelho” entra na mira da censura

O obscurantismo no século XXI parece não ter limites e, em breve, pode levar a cenas bizarras, como a observada pelo blogueiro Bruno Molinaro, do “Era Outra Vez”. Em postagem recente no blog da Folha de SP, ele faz o alerta: “Não se assuste se, em breve, crianças forem flagradas traficando páginas xerocadas de “Chapeuzinho Vermelho” na hora do recreio”.

O conto de fadas de origem européia do Sec. XIV – cuja versão mais conhecida é a dos Irmãos Grimm, integra a lista de obras censuradas em uma escola ligada à prefeitura de Barcelona, por serem consideradas “tóxicas” por reproduzirem padrões sexistas. Segundo Molinero, no total, o colégio Tàber decidiu retirar de sua biblioteca 200 livros destinados a alunos de até seis anos. O número equivale a 30% do acervo. “A Bela Adormecida”, quem diria, também está na lista das obras perigosas.

Dicas para qualquer idade

A lista foi publicada no dia 18 passado, no blog de Bia Reis, da Folha de São Paulo, para celebrar o Dia Nacional do Livro Infantil. Mas, a dica vale para qualquer momento. Foram selecionados 15 títulos infanto-juvenis “incríveis”, de autores e ilustradores brasileiros contemporâneos. Tem prosa, poesia e livro ilustrado.

-“ABCDinos”, Celina Bodenmüller/Luiz E. Anelli e Graziella Mattar (Ilustradora) – Peirópolis

-“Abrapracabrasil!”, Fernando Vilela – Brinque-Book

-“A Caligrafia de Dona Sofia”, André Neves – Paulinas

-“A Cozinha Encantada dos Contos de Fadas”, Katia Canton, Juliana Vidigal e Carlo Giovani (Estampas) – Companhia das Letrinhas

-“A Raiva”, Blandina Franco e José Carlos Lollo – Pequena Zahar

-“Bichológico”, Paula Taitebaum – Piu

-“Carvoeirinhos”, Roger Mello – Companhia das Letrinhas

-“Coisa de Gente Grande”, Patricia Auerbach – Sesi

-“Este é o Lobo”, Alexandre Rampazo – DCL

-“O Alvo”, Ilan Brenman e Renato Moriconi (ilustr.) – Ática

-“Olavo”, Odilon Moraes – Jujuba

-“O Barco dos Sonhos”, Rogério Coelho – Positivo

-“Orie”, Lúcia Hiratsuka – Pequena Zahar

-“Plantou Palavra, Colheu Poesia”, Socorro Acioli e Meg Banhos (ilustr.) – Armazém da Cultura

-“Vovó Veio do Japão”, Janaina Tokitaka, Mika Takahashi, Raquel Matsushita e Talita Nozomi – Companhia das Letrinhas

Obra de Lobato ganha novas e diversas adaptações

Menos de um mês após sua obra literária entrar em domínio público, o mercado não perdeu tempo e criações de Monteiro Lobato (1882-1948) já encabeçam uma série de lançamentos de filmes a livros e histórias em quadrinhos. Além da nova edição de “Reinações de Narizinho”, pela Companhia das Letras, já foi anunciado, também, que o clássico “Sítio do Picapau Amarelo”, consagrado em séries nas Tvs Tupi, Cultura e Globo, terá versão para o cinema dirigida por Fabrício Bittar.

Abaixo outros lançamentos já anunciados e listados pelo Caderno 2, do Estadão:

A Chave do Tamanho e O Picapau Amarelo – Biblioteca Azul

Histórias do Sítio adaptadas para o século 21 pelo escritor Pedro Bandeira – Moderna

Urupês – adaptação do livro de contos de Lobato para jovens em preparação Márcia Camargos

Narizinho Arrebitado – Lançamento anunciado pelo desenhista Maurício de Souza com adaptação de Regina Zilberman

Reinações de Narizinho – Série de livros prometida pela FTD com a participação de 11 ilustradores.

Narizinho no Século XXI

Já está em pré-venda a nova edição, pela Companhia das Letrinhas, do clássico infantojuvenil brasileiro “Reinações de Narizinho”. A história, de Monteiro Lobato (1882-1948) – cuja obra caiu em domínio público a partir deste ano, ganhou ilustrações com toques surrealistas da carioca Lole, a quem coube “fazer a ponte” entre uma história lançada em 1931 e as crianças de hoje. A edição, em capa dura, segundo a editora, chega às prateleiras em meados do próximo mês.