Para formar adultos melhores

Em tempos sombrios, quando a censura e a postura retrógrada das autoridades públicas do país rondam até mesmo os livros infantis, vale a pena resgatar lista de livros infanto-juvenis, de 2016, publicada pelo jornal espanhol El País, para “dar a largada em uma conversa franca com crianças sobre quase tudo”.

 –“A Democracia pode ser Assim”, Marta Pina – Boitempo

Aborda tema como o que são eleições, partidos políticos e a importância do voto, passando pelos direitos humanos e pela livre circulação de informação, que ajuda a manter as liberdades.  

“Migrar”, José Manuel Mateo – Pallas

Mostra a realidade de milhares de meninas e meninos que viajam a outro país, muitas vezes desacompanhados, em busca de trabalho ou de uma vida melhore e mais pacífica. Ilustrado pelo mestre mexicano Javier Martinez Pedro.

“O Pássaro Amarelo”, Olga de Dios – Boitempo

A partir da história de um pássaro impedido de voar, aborda temas como superação e compartilhamento de saberes.

“Frida Kahlo para Meninas e Meninos”, Nadia Fink – Sudestada

A pintora mexicana é retratada como a autêntica antiprincesa em livro que faz parte de coleção criada por editora argentina e é considerado ideal para debater temas como feminismo, luta de classes e arte.

“Quem Manda Aqui?”, Larissa Ribeiro, André Rodrigues, Paula Desgualdo e Pedro Markun – Companhia das Letrinhas

O livro é fruto de oficinas realizadas com crianças, onde foram compartilhadas, de maneira divertida, noções sobre modos de governar e tomar decisões.

“As Mulheres e os Homens”, Luci Gutiérrez – Boitempo

A máxima “meninas gostam de rosa e meninos, de azul” é descontruída de maneira divertida num livro que trata das questões de gênero.

“Lagartos Verdes x Retângulos Vermelhos”, Steve Antony – Rovelle

O livro propões uma reflexão sobre por que muitas vezes nos incomodamos com o que é diferente.

“O Pequeno Fascita”, Fernando Bonassi – Cosac Naify

Narra a vida de um menino, da barriga materna até se tornar líder da turma, operando pelo avesso, com um protagonista que só dá maus exemplos.

“Malala, a Menina que Queria ir para a Escola”, Adriana Carranca – Companhia das Letrinhas

Livro-reportagem sobre a garota paquistanesa, Nobel da Paz de 2013, com importantes lições de direitos humanos.

“A História de Julia – E sua Sombra de Menino”, Cristian Bruel, Anne Galand e Anne Bozellec – Scipione

Fala de gênero e identidade a partir da história de Júlia, criticada pelos pais, que sempre dizem que ela se parece com um menino e que deveria agir de maneira mais feminina.

“Um Outro País para Azzi”, Sarah Garland – Pulo do Gato

Aborda a história de uma família do Oriente Médio, que se vê obrigada a fugir quando a guerra começa a afetar sua rotina.

“El Abrazo”, David Grossman – Sexto Piso

O escritor israelense conta como um menino questiona sua mãe sobre ser “único no mundo”, atitude que o faz sentir solitário.

Rita relança série "Dr. Alex"

Publicada originalmente entre 1986 e 1992, a coleção “Dr. Alex”, da cantora e escritora Rita Lee, está de volta às prateleiras. Depois do recém-lançado “Amiga Ursa – Uma História Triste, Mas com Final Feliz”, a autora, a partir de uma proposta do editor Guilherme Samora, atualizou textos e desenhos de seu ratinho cientista e pacifista. “Dr. Alex” (ilustrado por Guilherme Francini – o mesmo de “Amiga Ursa”) e “Dr. Alex na Amazônia” (ilustrado por Quihoma Isaac) chegam este ano. Os outros dois títulos da série devem sair no início do ano que vem, pela Globinho.

De Paul para os netos

Aos 77 anos, Paul McCartney estreia no universo infantil com seu “Hey Grandude!”. O livro, já a venda em sua edição em inglês, é dedicado aos netos do beatle, com quem, segundo os jornais, costuma se divertir pescando e tomando sorvete. “Tenho um pequeno bote nos Hamptons e sempre que posso saímos juntos para o mar, onde às vezes pescamos”, disse o músico à revista Paris Match.

McCartney é pai de cinco filhos e tem oito netos. Quatro deles são filhos da estilista Stella McCartney e quatro da filha mais velha, Mary. Segundo o El País, Paul é um avô participativo, que além de jogar futebol, ver TV e ouvir música com os netos, gosta de ir buscá-los no colégio.

“Hey Grandude!” conta as fantásticas aventuras do Grandude – mistura de palavras em inglês que significam avô e amigo, um personagem mágico que vive com seus netos e que, segundo Paul, é baseado em sua própria experiência.

Ziraldo inesquecível

Um dos principais artistas gráficos do país e autor de obras clássicas da nossa literatura infanto-juvenil, Ziraldo Alves Pinto, completa 87 anos no próximo dia 24. Nascido em Caratinga (MG) em 1932, Ziraldo iniciou sua carreira nos anos 50 e teve atuação destacada nos principais jornais e revistas do país. Caricaturista, chargista, jornalista, escritor, teatrólogo, cartazista e pintor, foi um dos fundadores de “O Pasquim” e lançou seu primeiro livro infantil (“Flicts”) em 1969. No ano passado, sofreu um AVC e chegou a ficar internado por cerca de um mês, no Rio de Janeiro. Abaixo seleção de “10 obras inesquecíveis do autor, feita pelo Estadão no ano passado por ocasião de seu aniversário de 86 anos.

“O Menino Maluquinho”

“Flicts”

“O Bichinho da Maçã”

“A Turma do Pererê”

“O Joelho Juvenal”

“O Planeta Lilás”

“O Menino da Lua”

“Meninas”

“Tantas Tias”

“A Fábula das Três Cores”  

Mistral para pequenos

Catalan Ramos/MutualArt

Abaixo poema da chilena Gabriela Mistral (1889-1957), Nobel de Literatura em 1945 e de quem, segundo o caderno “Ilustríssima”, da FSP, será lançado em breve, pela Olho de Vidro, “Balada da Estrela e Outros Poemas”, coletânea de temática infantil e rural, marcada por forte musicalidade e inédita no Brasil.

Noite

As montanhas se desfazem,
e o gado está perdido;
o sol regressa à fornalha:
todo o mundo está fugido.
Vai-se apagando o pomar,
a granja está submersa,
minha cordilheira esconde
a crista e o grito de alerta.
As criaturas deslizam
de soslaio até o limbo,
e nós dois também rolamos
rumo à noite, meu filho.