Nova biografia do general

Churchill, De Gaulle e Obama (lançamento mundial em 17 de novembro), ganham a companhia de Napoleão na boa safra recente de biografias lançadas em português. “Napoleão – O Homem por Trás do Mito”, do historiador Adam Zamoyski, está anunciado na Amazon para lançamento no próximo dia 22. A nova biografia, dessa vez, mais do que no personagem histórico, tem foco no homem comum. “É difícil chamar de gênio o general que comandou o pior (e autoinfligido) desastre da história militar e que destruiu sozinho o grande império que ele e outros lutaram para conquistar. Não é a toa que Napoleão tornou-se uma figura histórica ambígua”, ressalta texto de apresentação da editora.

Os estadistas

Duas biografias lançadas por aqui em agosto e igualmente bem avaliadas pela crítica são comentadas em matéria assinada por Marcos Guterman na edição deste final de semana do Aliás, do Estadão. “Churchill – Caminhando com o Destino”, de Andrew Roberts, e “Charles de Gaulle – Uma Biografia”, de Julian Jackson, têm entre outras similaridades, segundo Guterman, o fato de que ambas podem ser lidas “como manuais para estadistas, tão em falta nos dias que correm”. Matéria completa, para assinantes, pelo link https://alias.estadao.com.br/noticias/geral,biografias-de-churchill-e-charles-de-gaulle-sao-manuais-para-estadistas,70003476890.

A excelência também em prosa

“Confissões de Minas” e “Passeios na Ilha”, que acabam de ganhar novas edições da Companhia das Letras, são as recomendações da Revista Veja desta semana. O primeiro, no dizer do próprio Drummond, “é um livro de prosa, assinado por quem preferiu quase sempre exprimir-se em poesia”, lançado originalmente em 1944 e reúne artigos, crônicas, ensaios, notas e reflexões. Já “Passeios”, de 1952, é uma coletânea de crônicas publicadas no jornal Correio da Manhã.

Maria Montessori ganha nova biografia

Amazon.com: Il bambino è il maestro: Vita di Maria Montessori (Italian  Edition) eBook: De Stefano, Cristina: Kindle Store

Abaixo, trecho da entrevista da jornalista italiana Cristina De Stefano ao jornal El País. Após cinco anos de pesquisas, ela está lançando “Il Bambino è Il Maestro: Vita di Maria Montessori” (A criança é o professor: vida de Maria Montessori), uma biografia que, segundo o El País, se devora como um romance. “Stefano conta com um incrível pulso narrativo a história de vida de uma pessoa iluminada, uma visionária dona de um caráter profundamente contraditório e cheio de luz e sombras, de áreas obscuras; a história de vida de uma mulher que sonhou durante toda a sua existência em transformar o homem desde criança e, com isso, mudar o mundo”. Entrevista completa pelo link https://brasil.elpais.com/brasil/2020-10-07/se-colocarmos-a-crianca-realmente-no-centro-como-pedia-maria-montessori-tudo-muda-para-sempre.html.

Pergunta do El País: Ao longo de sua vida Maria Montessori pensou que “a educação é uma técnica do amor” e que por meio desse amor seria possível mudar o mundo, começando essa mudança com as crianças. Em um mundo como o de hoje, assolado por guerras, crises de refugiados, pandemias globais e crises climáticas, adquire mais importância ver se cabe essa visão da educação de Maria Montessori?

R. O mundo de hoje é muito menos violento que o do passado. Isso é o que dizem todas as estatísticas. O que aumentou foram as informações sobre a violência. Daí a sensação que temos de viver tempos piores à medida que a humanidade avança. Dito isso, acredito profundamente no sonho de Maria Montessori. Acredito que se as crianças puderem se desenvolver harmoniosamente, em especial nos primeiros anos, elas serão adultos mais equilibrados, mais capazes de autocontrole, comunicação não violenta e capacidade de atenção. Não é por acaso que Maria Montessori disse que não devemos educar “para” a paz, mas educar “na” paz. É diferente. É melhor. No entanto, são os adultos que têm que mudar, e isso já é mais difícil.

Tentando entender

Matéria das repórteres do The New York Times, Elizabeth A. Harris e Alexandra Alter, publicada aqui pela Folha, mostra que a venda de livros sobre Donald Trump explodiu a dois meses das eleições americanas e que uma safra recorde está para chegar às livrarias. Segundo a reportagem, nos últimos quatro anos foram lançados mais de 1.200 títulos sobre o atual presidente, comparados, por exemplo, com os cerca de 500 livros sobre Barack Obama e sua gestão lançados no primeiro mandato de Obama, de acordo com análise da NPD BookScan. As jornalistas resgatam, inclusive, “What Were We Thinking?” (o que estávamos pensando?), do crítico de livros do Washington Post, Carlos Lozada, que está para ser lançado. No livro, Lozada analisa cerca de 150 títulos para tentar explicar como Trump venceu suas primeiras eleições, como vem governando e o que sua Presidência nos diz sobre o país que o elegeu. Matéria completa (para assinantes) pelo link: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2020/09/vendas-de-livros-sobre-trump-explodem-a-dois-meses-da-eleicao.shtml.