Tolstói em outubro

Foto: gutenberg.org

Conforme noticiado na coluna Painel das Letras, editada pelo repórter Walter Porto, na Folha de SP, sairá em outubro próximo, pela Todavia, “Novelas Completas”, de Liev Tolstói. Na edição, “Felicidade Conjugal”, “A Morte de Ivan Ilitch”, “Padre Siérgui” e “Sonata a Kreutzer”. Todos com tradução direta do russo por Rubens Figueiredo.

Nova edição de Ivan Ilitch

Já em pré-venda na Amazon a reedição em português de um clássico de Tolstói, “A Morte De Ivan Ilitch”. O lançamento, pela Antofágica, está previsto para 15 de julho próximo. Publicada originalmente em 1886, a obra marcou o retorno do autor russo à literatura de ficção. Depois de lançar com grande sucesso “Guerra e Paz” e “Ana Karênina”, Liev se dedicou por quase 10 anos aos seus projetos educacionais e à vida espiritual. A célebre novela, que narra a morte de um juiz e sua constatação da falta de significado da sua vida, surge a partir de um apelo de Turguêniev, outro ícone da literatura russa. Amigo de longa data de Tolstói, com quem mantinha uma relação marcada por afetos e conflitos, o autor de “Pais e Filhos”, já às vésperas da sua morte em Paris, escreve ao colega pedindo que ele retorne à literatura, comovendo Tolstói e conseguindo, parcialmente seu intento. Ele escreve “A Morte de Ivan Ilitch”, mas a ficção nunca mais volta a ser o centro das atenções do gênio russo.

Desigualdade e ideologia

Já em pré-venda na Amazon o novo livro do economista francês Thomas Piketty, “Capital e Ideologia”. Com tradução de Dorothée de Bruchard e Maria de Fátima Oliva do Coutho, o livro deve ser lançado por aqui em 17 de julho pela Intrínseca. Depois do best-seller global “O Capital no Século XXI” (2013), o autor debate agora distribuição de renda e desigualdade e aprofunda a questão da forma como a ideologia age para justificar e perpetuar a desigualdade em todas as sociedades ao longo dos últimos séculos.

Segundo a editora, o livro traz um apanhado que remonta às sociedades pré-Revolução Francesa e chega aos dias atuais para mostrar como a economia não é produto da natureza: como construção histórica, é passível de ser mudada e até revolucionada.

Obra de José Lins do Rego será relançada pela Global

Para marcar os 119 anos do nascimento do escritor, jornalista e imortal da Academia Brasileira de Letras José Lins do Rego (1901-1957), comemorados no último dia 3, a Global – nova editora do escritor – anunciou que vai iniciar o relançamento de sua obra, até então com a José Olympio. O primeiro título a sair em nova edição é também o romance de estreia de José Lins: “Menino de Engenho”. Na sequência devem ser relançados “Doidinho” e “Banguê”.