Saramago faz 98 anos

Companhia das Letras on Twitter: "Conheça a coleção José Saramago exclusiva  da @Saraiva, inspirada no projeto gráfico da Porto Editora, de Portugal.  https://t.co/QQFWbAVD82… https://t.co/0q6yqaMImq"

É tempo de celebrar e homenagear José Saramago. O Prêmio Nobel de 1998, falecido em 2010, teria completado 98 anos na última segunda-feira (16). Como parte das celebrações, a Companhia das Letras vem ao longo deste ano publicando novas edições dos livros do escritor com projeto gráfico do ateliê Silvadesigners. A série traz os títulos escritos na caligrafia de personalidades portuguesas e brasileiras e substitui as antigas edições do autor, hoje esgotadas no país. Confira os volumes já publicados e as respectivas caligrafias dos títulos.

“Ensaio sobre a Cegueira” – Chico Buarque
“O Homem Duplicado” – Lídia Jorge
“História do Cerco de Lisboa” – Álvaro Siza Vieira
“Ensaio sobre a Lucidez” – Julián Fuks
“O Ano da Morte de Ricardo Reis”, Daniela Thomas
“Caim” – Milton Hatoum
“Claraboia” – Fernanda Torres
“Memorial do Convento” – Raduan Nassar
“A Caverna” – Eduardo Lourenço
“As Intermitências da Morte” – Valter Hugo Mãe
“A Jangada de Pedra” – Ana Maria Machado
“O Evangelho Segundo Jesus Cristo” – Sebastião Salgado
“Todos os Nomes” – Fernanda Montenegro
“Levantado do Chão” – Mia Couto

Shakespeare pede ajuda

Shelf mythology: 100 years of Paris bookshop Shakespeare and Company |  Books | The Guardian
Foto: The Guardian

Livraria histórica de Paris e ponto turístico da cidade, a Shakespeare and Company, segundo o noticiário, enviou recentemente aos clientes uma mensagem informando que estava enfrentando tempos difíceis e pedindo auxílio por meio da compra de livros para minimizar os impactos causados pelo lockdown na capital francesa, que ameaçam o futuro da casa. O apelo fez efeito e segundo divulgado pela imprensa, em uma semana a livraria teria recebido 5 mil pedidos de livros. Em outra frente, moradores da cidade se manifestaram com doações e com o compartilhamento de memórias relacionadas à livraria.

Shakespeare and Company é o nome de duas livrarias de Paris. A primeira foi aberta por Sylvia Beach em 1919 no número 8 da rua Dupuytren. Em 1922 a livraria foi transferida para o número 12 da rua do Odeão. Por muitos anos serviu de ponto de encontro de escritores como Ezra Pound, Hemingway, Joyce e Ford Madox Ford e fechou as portas em 1940 em razão da ocupação nazista da França. A segunda livraria foi aberta em 1951 por George Whitman na rua Bûcherie com o nome de Le Mistral. Em 1964 foi renomeada Shakespeare and Company em homenagem à livraria original de Sylvia Beach. Hoje, funciona como livraria, sebo e biblioteca de leitura. Fonte: Wikipedia.

Dramas do Brasil e do mundo por Luciano Carneiro

Uma mãe segura seu filho numa habitação feita de madeira, numa favela carioca , em 1950

O Instituto Moreira Salles (IMS) acaba de lançar uma seleção de 170 das mais de 20 mil imagens produzidas por um dos mais importantes repórteres fotógraficos do país. “Luciano Carneiro – Fotojornalismo e Reportagem (1942-1959)” reúne fotos e cerca de 35 matérias assinadas pelo fotógrafo brasileiro morto tragicamente aos 33 anos de idades em um acidente aéreo. Carneiro teve sua curta carreira concentrada na atuação na revista O Cruzeiro, uma das maiores publicações brasileiras da época, onde trabalhou de 1949 a 1959 em coberturas no mundo inteiro.

Das favelas do Rio ao flagelo da seca no nordeste do país, da Guerra da Coreia (1950-53) à vida diária dos soviéticos, passando pela Revolução Cubana, pelo Egito de Nasser e pela Iugoslávia de Tito, Luciano Carneiro fixou as emoções humanas sem artificialismo nem poses, no melhor estilo de mestres de quem era fã confesso como Cartier-Bresson, Doisneau e Capa.

Segundo o IMS, a obra é o primeiro livro a percorrer de forma abrangente a carreira e obra de Carneiro, cujo acervo está, em parte, sob a guarda do Instituto. Além desse material, o livro traz também imagens dos arquivos da revista O Cruzeiro, hoje parte do acervo do jornal Estado de Minas.

100 anos da estreia de Agatha Christie

The Mysterious Affair At Styles - (Hercule Poirot Mystery) By Agatha  Christie (Paperback) : Target

Neste mês de outubro, o mundo literário celebra os 100 anos do lançamento do primeiro livro de Agatha Christie: “O Caso Misterioso de Styles”. Conforme lembra matéria recente do Estadão, o livro que ela começou a escrever como uma espécie de resposta a um desafio feito pela sua irmã Madge, que apostou que ela não conseguiria escrever uma boa história de detetive, saiu primeiro nos Estados Unidos e só no ano seguinte o romance policial foi publicado na Inglaterra, país da autora. Antes disso, a obra havia sido recusada por seis editoras. Agatha tinha 30 anos e no meio século que se seguiu escreveu outros 65 romances policiais, inúmeros contos e uma peça que viria a se consolidar como um clássico da dramaturgia mundial, “A Ratoeira” (The Mousetrap). Falecida em janeiro de 1976, aos 85 anos, a escritora é considerada um dos maiores sucessos de venda da literatura mundial, com estimados 1 bilhão de exemplares vendidos.