Os sucessos da Flip 2019

Abaixo os 30 livros mais vendidos na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) encerrada no final da semana passada, conforme noticiado pelo Estadão.

“Memórias da Plantação – Episódios de Racismo Cotidiano”, Grada Kilomba – Cobogó

“Fique Comigo”, Ayobami Adebayo – HarperCollins

“Ideias Para Adiar o Fim do Mundo”, Ailton Krenak – Companhia das Letras

“Sobre o Autoritarismo Brasileiro”, Lilia Moritz Schwarcz – Companhia das Letras

“Também os Brancos Sabem Dançar”, Kalaf Epalanga – Todavia

“Meu Pequeno País”, Gael Faye – Rádio Londres

“Uma Noite Markovitch”, Ayelet Gundar-Goshen – Todavia

“Maternidade”, Sheila Heti – Companhia das Letras

“O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho”, Sidarta Ribeiro – Companhia das Letras

“Lugar de Fala”, Djamila Ribeiro – Polen

“Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis”, Jarid Arraes – Polen

“Cat Person e Outros Contos”, Kristen Roupenian – Companhia das Letras

“Redemoinho em Dia Quente”, Jarid Arraes – Alfaguara

“O Corpo Dela e Outras Farras”, Carmen Maria Machado – Planeta

“A Terra Inabitável: Uma História do Futuro”, David Wallace Wells -Companhia das Letras

“Paletó e Eu: Memórias do Meu Pai Indígena”, Aparecida Villaça – Todavia

“Noite em Caracas”, Karina Sainz Borgo – Intrínseca

“Os Sertões”, Euclides da Cunha – Penguin/Companhia das Letras

“A Maquinação do Mundo: Drummond e a Mineração”, José Miguel Wisnik – Companhia das Letras

“Não Há Tempo a Perder”, Amyr Klink – Tordesilhas

“Forças Armadas e Política no Brasil”, José Murilo de Carvalho – Todavia

“As Mulheres de Tijucopapo”, Marilene Felinto – Edição do Autor

“Olhos D’Água”, Conceição Evaristo – Pallas

“As Coisas que Perdemos no Fogo”, Mariana Enriquez – Intrínseca

“Para Educar Crianças Feministas: Um Manifesto”, Chimamanda Ngozi Adichie – Companhia das Letras

“Os Sertões” – Edição Crítica”, Euclides da Cunha – Ubu

“Cumbe”, Marcelo D’Salete – Veneta

“Sobre Lutas e Lágrimas: Uma Biografia de 2018″, Mario Magalhães – Record

“O Pecado Original da República – Personagens e Eventos Para Compreender o Brasil”, José Murilo de Carvalho – Bazar do Tempo

“Brincando com Luccas Neto”, Luccas Neto – Pixel

A França de hoje e os livros

Em matéria publicada pelo Estadão, o jornalista Gilles Lapouge comenta o crescimento exponencial de lançamentos e a qualidade “angustiante” dos livros escritos pelos franceses atualmente. Segundo ele, em 1990, foram publicados na França 32 mil novos títulos. Em 2000, 59 mil; em 2010, 79,3 mil e de 2010 em diante, mais de 120 mil títulos. A qualidade do que se publica, no entanto, pode ser balizada pela taxa de rejeição de manuscritos pela mais consagrada editora do país, a Gallimard. Na Gallimard, segundo Lapouge, apenas um manuscrito em cada cem é publicado. O mercado, ainda conforme sua análise, segue aquecido pela indulgência dos editores com os autores, pela enxurrada de prêmios literários concedidos diariamente no país e pelo reinado dos best-sellers, que, se aplicadas as técnicas adequadas, facilmente alcançam vendas de 500 mil ou 1 milhão de exemplares vendidos. Matéria completa, para assinantes, no link https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,quantos-livros-por-ano-na-franca,70002880459.

Livros na confiança

Já está em funcionamento a primeira unidade da Livraria Peg&Pag em Belo Horizonte, uma loja sem vendedores e com livros a preços populares. A nova unidade da rede funciona em um centro de compras da capital mineira e tem um acervo de cerca de 5 mil exemplares. Hoje, são 16 lojas Peg&Pag implantadas nos estados de São Paulo e Paraná. Em Minas, conforme noticia o portal Uai, há uma unidade em funcionamento em Betim e outra em fase de implantação na cidade de Sete Lagoas. Ainda segundo o portal, a meta da rede é abrir nove lojas nesse formato em BH ainda esse ano.

Com preços únicos, de R$ 10 na maioria das lojas da empresa, as livrarias possuem duas formas de pagamento: dinheiro ou cartão de crédito. Diariamente, um responsável encerra as operações da máquina de cartão e recolhe o dinheiro. Sobre o modelo pouco usual de negócios, o gerente comercial da empresa, Jorge Gonzaga, comentou que “infelizmente, calculamos que um a cada 20 livros colocados à venda é furtado. Esperamos mudar essa mentalidade, mostrando que confiamos nos clientes e motivando-os a não trair essa confiança”.

A rede não comercializa lançamentos e costuma ter disponíveis obras de autores que vão de Machado de Assis ao francês Julio Verne.

Começa hoje a venda de ingressos para a Flip 2019

Começa hoje, dia 3, a venda de ingressos (R$ 55) para a 17ª Festa Literária Internacional de Paraty. O evento será entre os dias 10 e 14 de julho e a entrada pode ser adquirida no site da Flip. Durante a Festa, os ingressos só poderão ser adquiridos na bilheteria oficial instalada na cidade de Paraty. Programação completa e outras informações no site http://www.flip.org.br.

A Festa Literária desse ano homenageia Euclides da Cunha e terá, segundo os organizadores, a participação de 30 convidados brasileiros e estrangeiros.

A baixa perfomance do mercado editorial em 2018

Dados da Pesquisa Produção e Venda do Setor Editorial Brasileiro, divulgados recentemente pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) e pelo Sindicato Nacional de Editores de Livros (Snel), lançam novas luzes sobre o quadro de fragilidade local. Os números, apurados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), revelam que no ano passado o mercado editorial brasileiro apresentou queda nominal de 0,9%, o que significa um decréscimo real de 4,5% (considerando a inflação do período).  

A pesquisa revela ainda que as lojas físicas de venda de livros registraram um decréscimo de 20,84% de participação no faturamento das editoras e de 20,62% no número de exemplares vendidos. Na contramão aparecem com altas os distribuidores (27,29%), marketplaces (26%) e livrarias exclusivamente virtuais (25,2%).  

Com relação ao preço médio recebido pelas editoras, houve aumento em todos os chamados subsetores: didáticos (5,59%), obras gerais (7,07%), religiosos (3,64%), científico, técnico e profissional (R$ 46,53%).  

Também na semana passada já havia sido divulgado outro levantamento, dessa vez conduzido pela Nielsen, que mostrou que o desalento do ano passado prossegue em 2019. No primeiro trimestre deste ano, o mercado continua encolhendo, com vendas 30% inferiores às do mesmo período de 2018.