Apoio aos pequenos livreiros

Sebo em Brasília. Foto: diaonline.ig

Na mobilização da sociedade no enfrentamento à pandemia do Novo Coronavírus, a Companhia das Letras, um dos principais grupos editoriais do país, a exemplo de vários outros atores do mercado, tomou algumas iniciativas como liberação de conteúdo gratuito de livros eletrônicos e apoio aos pequenos livreiros. Em post publicado no blog da editora, o presidente da Companhia, Luiz Schwarcz, faz um apelo para que todos se lembrem “de quem nos acompanha pela vida afora, de quem estamos apartados pela força das circunstâncias”, especialmente as pequenas livrarias – com as portas fechadas e sem um sistema de comércio eletrônico próprio. A editora está oferecendo sua logística para ajudar distribuidoras e livrarias em suas vendas on-line. Os detalhes podem ser obtidos pelo e-mail cialogentrega@companhiadasletras.com.br.

Mais vendidos na pandemia

Em plena semana de isolamento social, confira os 10 livros mais vendidos no país, na categoria Ficção, no período de 16 a 22 de março. O levantamento é do site publishnews.com.br e os dados apurados pela soma das vendas de 17 das principais livrarias do país.

“A Garota do Lago”, Charlie Donlea

“A Paciente Silenciosa”, Alex Michaelides

“1984”, George Orwell

“A Revolução dos Bichos”, George Orwell

“A Princesa Salva a Si Mesma neste Livro”, Amanda Lovelace

-“A Bruxa Não Vai para a Fogueira Neste Livro”, Amanda Lovelace

“O Que Acontece em Londres”, Julia Quinn

“A Peste”, Albert Camus

“Box Nórdicos”, Vários

“O Conto da Aia”, Margaret Atwood

Pandemia no mercado

Imagem: pexels.com

Matéria assinada pelo jornalista Maurício Meireles, na Folha de São Paulo, dá um panorama dos impactos da pandemia do Novo Coronavírus já sentidos pelo mercado editorial do país. O mais recente foi o anúncio da Livraria Cultura da suspensão de todos os pagamentos de fornecedores por tempo indeterminado. A Saraiva, igualmente em situação de recuperação judicial, já havia pedido renegociação de prazos. Segundo a matéria, as editoras esperam um cenário de catástrofe. Marcos Pereira, sócio da editora Sextante, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros e um dos entrevistados de Meireles, prevê retração de cerca de 70% das receitas no mercado como consequência do fechamento do varejo. Editoras como Sextante, Leya e Record, suspenderam os lançamentos e não têm previsão de retomada. Matéria na íntegra, para assinantes, pelo link https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/03/diante-do-coronavirus-livraria-cultura-suspende-pagamentos-a-editores.shtml?origin=folha.

As epidemias nos livros

A pandemia do novo Coronavírus alçou livros clássicos que abordam essa temática à lista dos mais vendidos em vários países da Europa. Matéria recente publicada pela BBC Brasil mostra que na França, por exemplo, as vendas de “A Peste”, publicado em 1947 pelo franco-argelino Albert Camus, chegou a mais que dobrar nas primeiras oito semanas de 2020, comparado ao mesmo período do ano passado. Até terça-feira passada, o país registrava 30 mortes pelo vírus. Na Itália, segundo país mais impactado pelo vírus depois da China, a obra de Camus foi parar na lista dos 10 mais vendidos. Segundo a mesma BBC, a Amazon italiana tem entre seus 100 livros mais vendidos diversos títulos de ficção e não-ficção sobre epidemias, como “Virus, La Grande Sfida” e “Ensaio sobre a Cegueira”, do romancista português José Saramago. No Reino Unido, “A Peste” deve ser reimpresso pela editora Penguin, uma vez que já não há mais estoque disponível na Amazon local.

O livro de Saramago conta a história de uma “treva branca” que vai deixando cegos, um a um, os habitantes de uma cidade. Já em “A Peste”, a vida dos moradores de Orã, na Argélia, na década de 1940, segue sua rotina até que ratos começam a surgir do subterrâneo e morrer aos milhares. Logo as pessoas também começam a pegar a doença e seus destinos, muitas vezes, é o mesmo.

Matéria na íntegra pelo link https://www.bbc.com/portuguese/curiosidades-51843967.

O primeiro convidado

Foto: Jason Keith/Flip.org.br

O escritor nigeriano Chigozie Obioma é a primeira presença confirmada na Flip 2020, que será aberta no próximo dia 29 de julho. Obiama, segundo o site do evento, é considerado uma das vozes mais interessantes da nova geração de escritores do continente africano. O autor lançou no ano passado o seu segundo livro, “Uma Orquestra de Minorias”, lançado por aqui pela Globo Livros. Seu romance de estreia, lançado em 2015, foi “Os Pescadores”. Os dois títulos foram indicados ao Man Booker Prize.