“Vidas Secas” faz 80 anos

Vidas II

Um dos maiores clássicos da literatura brasileira em todos os tempos, “Vidas Secas” completa neste ano de 2018, oitenta anos de seu lançamento. Quarto romance do escritor alagoano Graciliano Ramos (1892-1953), o livro, cujo título original era “Um Mundo Coberto de Penas”, foi publicado inicialmente pela José Olympio e contava com ilustrações de Aldemir Martins. “Vidas Secas” vendeu mais de 10 milhões de cópias pelo mundo afora, foi adaptado inúmeras vezes para o cinema, teatro e TV e colocou o retirante Fabiano e sua cadela Baleia na galeria dos personagens mais emblemáticos da história literária do país.  Segundo a Wikipedia, com o livro, “Graciliano Ramos cria uma fantasmagórica realidade encontrada no interior do Nordeste, sob a imagem do homem quase bicho, massacrado pelas agruras de uma natureza insólita e de uma sociedade e um governo injustos”.

O mapa-múndi das livrarias

Livrarias

Já nas lojas,  “Livrarias: Uma História da Leitura e de Leitores”, do ensaísta catalão Jorge Carrión. A edição, da Bazar do Tempo, tem tradução de Sílvia Massimini e contempla 20 anos de viagens do autor pelos cinco continentes em busca de livrarias. Carrión mistura diário de bordo, reportagem de fôlego e ensaio cultural. Entre as muitas livrarias citadas a Shakespeare and Company, de Paris (uma das mais importantes do Século XX); a Barnes & Nobles; e as redes brasileiras, Nobel, Saraiva e Cultura, todas, como informa o autor, surgidas de projetos de imigrantes.

Dicas profissionais

Matéria assinada por Gustavo Simon na Folha de São Paulo, garimpada junto a nove “turistas profissionais”, apresenta seleção com os melhores “livros de viagem” de cada um.

Alberto Renault – Diretor de TV

“Minha Luta”, de Karl Ove Knausgard – Companhia das Letras

“Rome, Naples et Florence”, de Stendhal (Inédito no país)

André Fran – Diretor e apresentador

“O Livreiro de Cabul”, de Asne Seierstad – Record

“Vagabonding”, de Rolf Potts (Inédito no Brasil)

Edmar Bull – Ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens

“Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa – Nova Fronteira

“O Turista Aprendiz”, de Mário de Andrade – (IEB-USP e Iphan)

-“As Neves do Kilimanjaro e Outros Contos”, de Ernest Hemingway  

-“Cem Dias entre Céu e Mar”, de Amyr Klink 

-“On the Road”, de Jack Kerouac 

Eduardo Fleury – Gerente do site Kayak no Brasil

-“Vinho e Guerra – Os Franceses, os Nazistas e a Batalha pelo Maior Tesouro da França”, de Petie e Don Kladstrup – Zahar

-“As Cidades Invisíveis”, de Italo Calvino – Companhia das Letras

Josimar Melo – Crítico gastronômico e colunista da Folha

-“O Rei de Havana”, de Pedro Juan Gutiérrez – Alfaguara

 -“Do Amor e Outros Demônios”, de Gabriel García Márquez- Record

Karina Oliani – Médica e apresentadora de TV 

-“Endurance – A Lendária Expedição de Shackleton à Antártida”, de Caroline Alexander – Companhia das Letras
-“As Viagens mais Fantásticas do Mundo”, de Bill Bryson- Publifolha
Lalai Persson – Editora do site Chicken or Pasta? 

-“A Amiga Genial”, de Elena Ferrante- Biblioteca Azul
-“Istambul”, de Ohran Pamuk- Companhia das Letras
​Léo Tristão – Diretor-geral do Airbnb no Brasil

-“Amor nos Tempos do Cólera”, de Gabriel García Márquez – Record
-“Sete anos no Tibet”, de Heinrich Harrer- L&PM
Pedro Andrade – Apresentador de “Pedro Pelo Mundo” (GNT)

-“Só Garotos”, de Patti Smith – Companhia das Letras
-“Positano, The Vertical City”, de Romolo Ercolino – (inédito no Brasil)

Novidades do Eu&Fim de Semana

A seleção do caderno do jornal Valor Econômico:

desamparo

-“Desamparo”, do jornalista e escritor Fred Di Giacomo pela Ed. Reformatório, gira em torno da história de dois clãs de fazendeiros do Noroeste paulista e mistura elementos de realismo fantástico com personagens reais da região da Penápolis natal do escritor.

pequenos

-“Pequenos Incêndios por Toda Parte”, de Celeste Ng. pela Intrínseca, disseca as relações da classe média americana por meio da história de uma família “aparentemente perfeita” de Ohio.

farra I

-“A Farra dos Guardanapos”, de Sílvio Barsetti pela Máquina de Livros, segundo resenha assinada por José Castello, é uma bela crônica das relações que os homens têm com o poder. Narra o apíce da vaidade e dos excessos da elite política brasileira, liderada pelo ex-governador do Estado do Rio e atual presidiário, Sérgio Cabral, e o início de sua rápida “e até trágica” derrocada.