Solidariedade e apreço pela leitura

Odilon Tavares em foto do jornal O Tempo

Mesmo no cenário de distanciamento social, as pessoas se mobilizaram e garantiram a reparação de uma barbaridade cometida no último dia 27, em Belo Horizonte, contra Odilon Tavares. Há três anos, ele vende livros usados numa calçada da região da Savassi e teve parte de seu acervo de 5 mil obras queimado durante a madrugada. Segundo os jornais locais, perdeu mais de 3 mil livros. A reparação veio da solidariedade e apreço de pessoas pela leitura, que em quatro dias já havia feito mais de 10 mil doações ao livreiro.

Para ler antes de morrer III

Seleção 3 de “livros para ler antes de morrer”.

1-“O Último dos Moicanos”, James Fenimore Cooper – 1826

2-“O Vermelho e o Negro”, Stendhal – 1831

3-“O Corcunda de Notre Dame”, Victor Hugo – 1831

4-“Eugene Onegin”, Alexander Pushkin – 1833

5-“Oliver Twist”, Charles Dickens – 1833

6-“Pai Goriot”, Honoré de Balzac – 1834-35

7-“O Nariz”, Nikolai Gógol – 1836

8-“A Cartuxa de Parma”, Stendhal -1839

9-“Almas Mortas”, Nikolai Gógol – 1842

10-“Ilusões Perdidas”, Honoré de Balzac – 1843

Manuais antirracistas

Diante da urgência de se aprofundar o debate sobre o tema, a Companhia das Letras selecionou 40 títulos antirracistas editados por selos da casa. Segundo o blog da editora, são livros que “tratam de raça através de experiências reais, análises históricas ou narrativas sobre amor, amizade e resistência”. Tem romance, contos, poesia, ensaios, biografias e histórias infantis.

FICÇÃO

“Americanah”, Chimamanda Ngozi Adichie – Companhia das Letras

“Amoras”, Emicida – Companhia das Letrinhas

“Da Minha Janela”, Otávio Júnior – Companhia das Letrinhas

“Enterre seus Mortos”, Ana Paula Maia – Cia das Letras

“Histórias da Cazumbinha”, Meire Cazumbá – Companhia das Letrinhas

“Histórias da Preta”, Heloisa Pires Limas – Cia das Letrinhas

“Luanda, Lisboa, Paraíso”, Djaimilia Pereira de Almeida – Cia das Letras

“Marrom e Amarelo”, Paulo Scott – Alfaguara

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” – Machado de Assis – Penguin

“O Menino Negro”, Camara Laye – Seguinte

“O Mundo se Despedaça”, Chinua Achebe – Cia das Letras

“O Olho Mais Azul”, Toni Morrison – Cia das Letras

“O Sol na Cabeça”, Geovani Martins – Cia das Letras

“Úrsula”, Maria Firmina dos Reis – Penguin

“Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, Lima Barreto – Penguin

“Redemoinho em Dia Quente”, Jarid Arraes – Alfaguara

“Ritmo Louco”, Zadie Smith – Cia das Letras

“Se a Rua Beale Falasse”, James Baldwin – Cia das Letras

NÃO-FICÇÃO

“Doze Anos de Escravidão”, Solomon Northup – Penguin

“A Autobiografia de Martin Luther King”, Clayborne Carson  Zahar

“A Educação de uma Criança sob o Protetorado Britânico: Ensaios”, Chinua Achebe – Cia das Letras

“A Cor da Liberdade: Os Anos de Presidência”, Nelson Mandela e Mandla Langa – Zahar

“A Origem dos Outros”, Toni Morrison – Cia das Letras

“Dicionário da Escravidão e Liberdade”, Lilia Moritz Schwarcz e Flávio Gomes (Orgs.) – Cia das Letras

“Entre o Mundo e Eu”, Ta-Nehisi Coates – Objetiva

“Fiel”, Jessé Andarilho – Objetiva

“Malcolm X”, Manning Marable – Cia das Letras

“Martin e Rosa”, Raphaële Frier e Zaü – Pequena Zahar

“Minha História”, Michelle Obama – Objetiva

“Mocambos e Quilombos”, Flávio dos Santos Gomes – Claro Enigma

“Muito Longe de Casa”, Ishmael Beah – Cia das Letras

“Na Minha Pele”, Lázaro Ramos – Objetiva

“Nômade”, Ayaan Hirsi Ali – Cia das Letras

“O Amor como Revolução”, Henrique Vieira

“O Alufá Rufino”, João José Reis, Flávio dos Santos Gomes e Marcus J. de Carvalho – Cia das Letras

“O Jogo da Dissimulação”, Wlamyra R. de Albuquerque – Cia das Letras

“O Perigo de Uma História Única”, Chimamanda Ngozi Adichie – Cia das Letras

“Pequeno Manual Antirracista”, Djamila Ribeiro

MÚSICA E POESIA

“Não Pararei de Gritar”: Poemas Reunidos”, Carlos de Assumpção – Cia das Letras

“Sobrevivendo no Inferno”, Racionais MC’s – Cia das Letras

O romantismo de Keats

ODE SOBRE A INDOLÊNCIA

I

Numa certa manhã eu vi as três as figuras,
Curvadas, de perfil, mãos juntas, uma a uma,
Seguindo atrás da outra, mudas e seguras,
Sandálias suaves, vestes alvas, pés de pluma;
Como formas de mármore em alto-relevo
Sobre uma urna, foram-se, ao girar a face
Do vaso; mas voltando ao ângulo anterior,
Mostraram-se mais uma vez como as descrevo,
E eram-me tão estranhas como se as achasse
Numa ânfora de Fídias um pesquisador.

II

Como é possível, Sombras, que eu não as conheça,
Máscaras mudas que se movem para mim?
Que plano silencioso tinham na cabeça
Para a minha indolência arrebatar assim?
Era a hora madura e eu já me comprazia
Na abençoada nuvem de ócio do verão.
Pesado o olhar, a pulsação quase parada,
Os prazeres sem cor e a vida já vazia.
Ah! por que não desaparecem e se vão,
E me deixam em paz, sozinho, com meu – nada?

III

Uma terceira vez romperam minha paz as
Figuras mudas; cada qual por um momento
Me olhou de frente, e eu só queria era ter asas
Para segui-las e saber do seu intento;
A primeira, uma bela moça, era o Amor;
A segunda, de rosto pálido e sem viço
E olhos cansados, a Ambição que a tudo via.
A última, a que eu mais amo, e a quem o desfavor
Persegue, era uma jovem com ar insubmisso;
Essa era o meu demônio – a Poesia.

IV

Foram-se as três e eu só queria asas ainda;
Loucura! O que é o Amor? Quem sabe onde ele mora?
Quanto à Ambição! – é desprezível, porque vinda
De um coração pequeno, a febre de uma hora;
À Poesia! – não doa uma só alegria, –
Ao menos para mim, – de dia imersa em suas
Cismas; à noite, no ópio do seu tédio imenso;
Pudesse eu ter uma era livre de agonia,
Sem conhecer jamais a mutação das luas
Nem ouvir nunca a voz penosa do bom-senso!

V

E uma vez mais vieram; – ah! por que razão?
Meu sono se adornava de secretos sonhos,
Minha alma era uma relva, flores pelo chão,
Com sombras sugestivas e raios risonhos;
A névoa da manhã não me trazia chuva;
Nas pálpebras de maio, só lágrimas prestes;
Calor, botões em flor, um tordo ia cantar,
E da janela aberta eu via a vide e a uva;
Sombras, a hora do adeus chegou; em suas vestes
Nenhuma lágrima desceu do meu olhar.

VI

Adeus, meus três fantasmas! Não há quem me faça
Erguer esta cabeça da relva e das flores.
Não quero ser a ovelha-guia de uma farsa,
Nem seguirei uma dieta de louvores.
Voltem a ser figuras-máscaras de urna.
Adeus! deixem morrer de tedio a minha mente.
Visões? Já tenho a minha provisão noturna,
E outras, mais tênues, para as horas matinais.
Retirem-se, de vez, do meu ser indolente,
Para as nuvens dos céus, e não voltem jamais.

.

ODE ON INDOLENCE

I

One morn before me were three figures seen,
With bowèd necks, and joinèd hands, side-faced;
And one behind the other stepp’d serene,
In placid sandals, and in white robes graced;
They pass’d, like figures on a marble urn,
When shifted round to see the other side;
They came again; as when the urn once more
Is shifted round, the first seen shades return;
And they were strange to me, as may betide
With vases, to one deep in Phidian lore.

II

How is it, Shadows! that I knew ye not?
How came ye muffled in so hush a mask?
Was it a silent deep-disguisèd plot
To steal away, and leave without a task
My idle days? Ripe was the drowsy hour;
The blissful cloud of summer-indolence
Benumb’d my eyes; my pulse grew less and less;
Pain had no sting, and pleasure’s wreath no flower:
O, why did ye not melt, and leave my sense
Unhaunted quite of all but—nothingness?

III

A third time pass’d they by, and, passing, turn’d
Each one the face a moment whiles to me;
Then faded, and to follow them I burn’d
And ached for wings, because I knew the three;
The first was a fair Maid, and Love her name;
The second was Ambition, pale of cheek,
And ever watchful with fatiguèd eye;
The last, whom I love more, the more of blame
Is heap’d upon her, maiden most unmeek,—
I knew to be my demon Poesy.

IV

They faded, and, forsooth! I wanted wings:
O folly! What is Love? and where is it?
And for that poor Ambition! it springs
From a man’s little heart’s short fever-fit;
For Poesy!—no,—she has not a joy,—
At least for me,—so sweet as drowsy noons,
And evenings steep’d in honey’d indolence;
O, for an age so shelter’d from annoy,
That I may never know how change the moons,
Or hear the voice of busy common-sense!

V

And once more came they by:—alas! wherefore?
My sleep had been embroider’d with dim dreams;
My soul had been a lawn besprinkled o’er
With flowers, and stirring shades, and baffled beams:
The morn was clouded, but no shower fell,
Tho’ in her lids hung the sweet tears of May;
The open casement press’d a new-leaved vine,
Let in the budding warmth and throstle’s lay;
O Shadows! ’twas a time to bid farewell!
Upon your skirts had fallen no tears of mine.

VI

So, ye three Ghosts, adieu! Ye cannot raise
My head cool-bedded in the flowery grass;
For I would not be dieted with praise,
A pet-lamb in a sentimental farce!
Fade softly from my eyes, and be once more
In masque-like figures on the dreamy urn;
Farewell! I yet have visions for the night,
And for the day faint visions there is store;
Vanish, ye Phantoms! from my idle spright,
Into the clouds, and never more return!


John Keats – “Byron e Keats – entreversos”. Tradução Augusto de Campos